Câmara Municipal Lisboa

Costa só deixa de ser presidente se ganhar eleições

949

António Costa só deixa o cargo de presidente da Câmara de Lisboa quando for nomeado primeiro-ministro. A taxa turística para chegadas no aeroporto avança em Abril.

Medina será o homem que se segue como presidente da Câmara

António Cotrim/LUSA

António Costa vai continuar como presidente da Câmara Municipal de Lisboa até as eleições e só sairá quando (e se) ganhar as legislativas e for nomeado primeiro-ministro. A garantia foi dada pelo vice-presidente da autarquia, Fernando Medina, que em entrevista ao Económico assegurou que o trabalho de Costa na câmara e no PS é conciliável.

“Costa só deixará de ser presidente da Câmara Municipal de Lisboa quando for nomeado primeiro-ministro”, disse Fernando Medina na entrevista. Para o número dois da câmara tudo corre bem nas duas frentes a António Costa porque tem “equipas treinada e organizadas” e por isso “até lá [quando for nomeado primeiro-ministro], a gestão da Câmara e do partido tem-se mostrado totalmente compatível”. Medina será o homem que substituirá Costa a meio do mandato, caso este vença as legislativas, e acredita que os lisboetas estavam preparados para essa substituição uma vez que este seria à partida o último mandato de Costa na Câmara. Diz, por isso, que esta transição será “sem nenhum sobressalto”.

Medina foi mais longe do que tem dito o próprio António Costa. Ainda numa entrevista que deu à SIC há duas semanas, António Costa remeteu a resposta para mais tarde dizendo que sairia da presidência da Câmara no momento oportuno.

Além da substituição na autarquia, Fernando Medina deixou ainda outras notas na entrevista. Diz o responsável das Finanças da autarquia que continuará a defender que parte das receitas do IVA sejam encaminhadas para os municípios e justifica a ideia para Lisboa sobretudo por duas razões: o fim do Imposto Municipal sobre as Transações (IMT), previsto para 2018, e as despesas que Lisboa tem com a promoção turística desde a animação à gestão e construção de equipamentos.

Taxa avança em abril

O Orçamento da Câmara de Lisboa que agora entra em vigor foi dos mais mediáticos sobretudo por causa da criação da taxa turística em Lisboa. Na entrevista, Medina garante que a taxa, que ainda está a ser negociada com a ANA, vai ter um modelo “muito prático, simples e muito claro de aplicação”.

Para já, está apenas garantido que os residentes em Portugal estão isentos do pagamento de um euro à chegada ao aeroporto de Lisboa.

Esta é aliás a única taxa turística a ser aplicada este ano e só deverá começar em abril, quatro meses depois da previsão inicial da autarquia. Já a taxa a cobrar nas chegadas ao Porto de Lisboa  demorará mais e só entrará e vigor em Janeiro de 2016, tal como a taxa de dormidas. De acordo com as contas da câmara, o total da taxa (que se divide assim em três) renderá cerca de sete milhões de euros.

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bloco de Esquerda

Os fascistas /premium

Alberto Gonçalves
313

Para o Bloco de Esquerda, que passa o tempo a sugerir proibições, tudo o que abomina é “fascista”: eu, você, dois terços do eleitorado, quatro quintos do Ocidente, nove décimos do mundo democrático...

Web Summit

A esquerda foi fascista com Le Pen /premium

Sebastião Bugalho

O Bloco tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem ela é indiferente. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove.

Crónica

Não chame uma mulher de meu anjo /premium

Ruth Manus

É muito mais fácil chamar uma mulher pelo nome. Ou de você. Ou de tu. Ou de senhora. Reserve seus tratamentos “carinhosos” para quem esteja com alguma vontade de recebê-los.

Bloco de Esquerda

Os fascistas /premium

Alberto Gonçalves
313

Para o Bloco de Esquerda, que passa o tempo a sugerir proibições, tudo o que abomina é “fascista”: eu, você, dois terços do eleitorado, quatro quintos do Ocidente, nove décimos do mundo democrático...

Web Summit

A esquerda foi fascista com Le Pen /premium

Sebastião Bugalho

O Bloco tem muito mais a ver com Marine Le Pen do que aqueles a quem ela é indiferente. São ambos profundamente populistas e contra a visão aberta do mercado e da sociedade que a Web Summit promove.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)