Durante a época de exames há poucas coisas melhores do que uma boa noite de sono mas, com o tempo divido entre bibliotecas e diretas regadas a cafeína, resta pouco tempo disponível para os estudantes dormirem. Para menorizar os problemas que advêm da privação do sono, a Univesidade de East Anglia, em Inglaterra, criou uma sala que pretende revolucionar a vida dos estudantes, à semelhança do que já tinha acontecido na Universidade de James Madison na Virginia, Estados Unidos: a sala das sestas.

O diretor do Gabinete de Bem-estar, Comunidade e Diversidade da faculdade explicou ao Telegraph: “Tenho duas esperanças para este projeto. Primeiro, que os alunos com condições particulares, como fadiga crónica, tenham um campus que lhes dê as condições que precisam e, em segundo, que nós [Universidade] possamos educar os nossos estudantes acerca dos perigos de fazer diretas na biblioteca por causa de prazos.”

O pedido foi feito pelo sindicato dos estudantes daquela Universidade e aceite pela instituição resultando numa sala de sestas onde se pode requisitar tempo de usufruto, 40 minutos por dose, entre a meia-noite e as 18h00. Mas, para demover os estudantes de usar as camas e os pufes para outros fins, a sala estará equipada com sistema de vídeo vigilância.

Andrew Mayers, psicólogo especialista em sono na Universidade de Bournemouth parece perceber os objetivos da sala, alertando que a privação de sono por parte dos estudantes tem variadas consequências nefastas para o seu organismo e aproveitamento escolar: “Há mais probabilidade de terem acidentes, de se tornarem menos pacientes com familiares e amigos e mais suscetíveis a desenvolver doenças psiquiátricas. A longo prazo, a falta de sono pode aumentar o risco de doenças do foro mental, tal como a depressão.”

A psicóloga Sarita Robinson acrescenta que, mais do que prevenir doenças, as sestas na faculdade podem melhorar o aproveitamento escolar, principalmente se feitas imediatamente após uma revisão da matéria. Uma vez que vai ajudar a reter a informação aprendida.

Com o segundo semestre à porta ficam algumas sugestões, dos dois especialistas, para um horário de sono mais saudável e compatível com todos os aspetos da vida académica:

1 – Não beber cafeína depois das 16h00 e aproveitar os chás de ervas

2 – Dormir durante as horas escuras do dia

3 – Aproveitar as sestas de forma eficiente. Uma boa sesta aumenta as capacidades cognitivas

4 – Comer alimentos que ajudem ao sono, como bananas, cerejas, amêndoas e sementes de linhaça

5 – Fazer pausas durante o dia. O corpo humano concentra-se em ciclos de 90 minutos

6 – Aprender a respirar de forma relaxante. Na cama, deve expirar-se mais tempo do que se inspira. Por cada seis segundos que se inspira deve expirar-se nove segundos. Três minutos desta prática e o corpo fica relaxado

7 – Arrumar o smartphone. A luz aumenta a melatonina que impede o sono