A Câmara do Porto quer apoiar com um valor global de 95 mil euros dois filmes de divulgação internacional devido a uma “mudança de filosofia” baseada na perceção da produção cinematográfica como veículo de promoção da cidade.

A informação foi adiantada esta sexta-feira à Lusa por fonte da presidência da autarquia com base nas duas propostas de apoio financeiro aos filmes “Porto Mon Amour” (75 mil euros) e “O Sentido da Vida” (20 mil euros), que vão ser apresentadas ao executivo na reunião camarária de terça-feira e a que a Lusa teve acesso.

“Até agora, o apoio da Câmara a filmes rodados no Porto limitava-se a isenção de taxas, cortes de via e demais burocracia. Estes dois filmes, de distribuição mundial, pediram, especificamente, apoio financeiro. A Câmara entendeu que esse apoio é uma forma de a cidade ter um instrumento para ser mais competitiva [no universo cinematográfico]”, explicou fonte da presidência.

“Os filmes de Woody Allen são milhões. Não temos capacidade para isso. Mas temos capacidade para estes valores. O ‘Porto Mon Amour’ é um filme comercial, de grande distribuição, que conta com atores conhecidos e é a primeira vez que uma produção do género tem o nome da cidade no título”, acrescentou.

Na proposta do presidente da Câmara, Rui Moreira, destaca-se que a longa-metragem “Porto Mon Amour”, do realizador brasileiro Gabe Klinger, é a “primeira com distribuição e exibição mundial que tem o Porto como protagonista”.

O autarca considera que o título “garante a divulgação da cidade” e que ” uma produção internacional com produtores, realizadores e atores internacionalmente prestigiados” é uma “excelente forma” de promover a cidade. A intenção de Moreira é atribuir ao filme um “apoio financeiro até 75 mil euros” e uma isenção de taxas até 15 mil euros.

No protocolo, a produtora Bando à Parte fica obrigada a “mencionar, de forma bem visível, em todo o material impresso e nos outros meios de publicidade e de divulgação da produção, o apoio concedido pelo município”. A par disso, deverá “incluir em todo o material o logótipo da Câmara do Porto” e ceder-lhe “uma cópia em suporte digital do trabalho feito, com direitos de exibição, de todo ou parte”, nos suportes da autarquia.

Durante a campanha eleitoral autárquica de 2013, o candidato do PSD/MPT/PPM à Câmara do Porto, Luís Filipe Menezes, revelou estar a fazer diligências para que Woody Allen fizesse um filme sobre o Porto, à semelhança do que fez em Paris e em Roma.

O candidato do PS, que fez uma coligação pós-eleitoral com o independente Rui Moreira, considerou na altura a ideia do social-democrata como mais uma da sua “lista interminável de projetos megalómanos que só serviriam para gastar dinheiro”. Na reunião camarária de terça-feira, o executivo vai também votar a atribuição de um apoio até 20 mil euros ao filme “O Sentido da Vida”, do cineasta Miguel Gonçalves Gomes.

Fonte da presidência da Câmara esclareceu à Lusa que, neste caso, para além da promoção da cidade, está também em causa o “interesse histórico e documental”, uma vez que foi esta longa-metragem que foi aberto, excecionalmente, o coração de D. Pedro, doado à cidade e guardado na Igreja da Lapa.

A película, que “conta a história real de um jovem que descobre ter uma doença fatal e decide fazer uma volta ao mundo procurando o sentido da vida”, retrata “sete figuras públicas e as suas visões sobre a vida e o seu propósito, entre as quais o escritor Valter Hugo Mãe”, descreve-se na proposta.

“As obras deste cineasta têm tido um impacto grande a nível internacional e na divulgação da cultura portuguesa, constituindo uma excelente forma de divulgar a cidade”, justifica Rui Moreira.

As contrapartidas da produtora passam por “exibir um filme promocional do Porto em todas as cidades do mundo onde for exibida a longa-metragem” e disponibilizar à autarquia um vídeo promocional do Porto, de três minutos, destinado à internet e com texto de Valter Hugo Mãe.