A União Europeia anunciou esta sexta-feira um financiamento adicional de mil milhões de euros nos próximos dois anos para enfrentar as crises na Síria e no Iraque e a ameaça colocada pelo autoproclamado Estado Islâmico (EI).

O anúncio foi feito no quadro da apresentação, pela Comissão Europeia e Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, da primeira estratégia global para apoiar os países da região face aos desafios atuais, que, segundo Bruxelas, visa assegurar financiamento disponível para prioridades essenciais, como alívio, estabilização e desenvolvimento na região, “assim como para enfrentar a ameaça colocada por grupos terroristas como o Daesh”, o acrónimo árabe para o EI.

“Estas medidas políticas, sociais e humanitárias visam a Síria e Iraque, mas também o Líbano, a Jordânia e a Turquia”, especifica o executivo comunitário, apontando que a estratégia inclui uma combinação de medidas políticas e práticas, como esforços diplomáticos, fornecimento de serviços básicos e programas de anti-radicalização, financiamento para a luta contra o terrorismo, prevenção contra combatentes estrangeiros e melhores controlos fronteiriços.

Segundo a Alta Representante, Federica Mogherini, este pacote vai reforçar o apoio da UE a uma região tão próxima da Europa “e que tem sido devastada pelo terrorismo e violência há demasiado tempo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O assassinato do piloto jordano Moaz al-Kasasbeh há apenas alguns dias é mais uma prova de que o terrorismo não tem fronteiras e que os muçulmanos são as primeiras vítimas do Daesh. Nós enfrentamos desafios comuns e ameaças comuns”, sublinhou a chefe de diplomacia da UE.

A estratégia agora anunciada vai ser discutida com Conselho e Parlamento Europeu.