Rádio Observador

António Costa

António Costa foi ao carnaval de Torres Vedras

Em Torres Vedras, António Costa disse que, se chegar a primeiro-ministro, irá devolver a terça-feira de carnaval aos portugueses.

"É urgente retomar a liberdade de podermos voltar a festejar o carnaval", referiu o líder do PS

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O líder do PS, António Costa, foi um dos milhares de foliões no carnaval de Torres Vedras e disse que, se chegar a primeiro-ministro, quer devolver a terça-feira de carnaval aos portugueses. Sem querer falar da política nacional e internacional, António Costa, questionado se estava mascarado de primeiro-ministro, riu-se, respondendo logo de seguida que vinha “disfarçado de si próprio”.

Enquanto falava aos jornalistas, era abordado por um mascarado de prisioneiro com um cartaz a dizer “em férias em Évora”, em alusão ao ex-primeiro-ministro e ex-secretário-geral do PS, José Sócrates. O líder do PS, que quis vir dar apoio ao presidente da câmara de Torres Vedras, o socialista Carlos Miguel, no esforço de “manter e projetar” o evento, num ano em que vai submetê-lo a uma candidatura a património mundial, reconheceu que o carnaval “é muito importante para a economia da região”, por isso, se chegar a primeiro-ministro, pretende devolver a terça-feira de carnaval aos portugueses.

“É urgente retomar a liberdade de podermos voltar a festejar o carnaval, porque é um momento de descompressão, de alegria, das famílias se encontrarem, mas também um momento de as pessoas puderem festejar, brincar com coisas mais sérias e menos sérias”, disse aos jornalistas.

O verdadeiro António Costa pode ver ao vivo a sua caricatura, a fazer de Cristo redentor, a escalar a torre do poder, onde no cimo estão Passos Coelho e Paulo Portas e em baixo José Sócrates dentro de grades, e ainda numa enorme cama com Passos Coelho e Paulo Portas, uma vez que o carnaval teve este ano como tema o amor.

De acordo com a organização, deverão ter passado por Torres Vedras, nestes quatro dias, cerca de 350 mil visitantes e nem a chuva que caiu no sábado, em pleno corso noturno, “intimidou os foliões torrienses”, disse César Costa, da empresa municipal Promotores, responsável pela organização do evento.

Com o tempo a ajudar e o sol a aparecer, o corso de domingo ultrapassou os 50 mil visitantes, tendo sido o melhor destes quatro dias e atraindo visitantes de vários pontos do país, segundo a organização. Foi o caso de Rita Santos, de Setúbal, pela primeira vez ao carnaval de Torres Vedras. “Tinha interesse em vir conhecer o carnaval de Torres e este ano decidi vir. Estou a gostar mais dos carros alegóricos de sátira política”, afirmou à agência Lusa. De Lisboa, a família Morna, que, segundo o pai, Mário Morna, quis vir mostrar as tradições do entrudo aos dois filhos, um deles, a Inês, que se mascarou de espanhola.

Os espetadores vão observando os carros alegóricos, conhecidos pela sátira política, e rindo com a espontaneidade dos mascarados, como as tradicionais matrafonas, homens que em Torres Vedras se vestem de mulher, usando vestuário ousado, como a minissaia. Entre elas, está “Rosita”, o nome com que António Santos, 66 anos, quer ser chamado. De minissaia, cabeleira e de acordeão ao peito, disfarçado da cantora popular Rosinha, o folião disse que já se mascara há mais de 40 anos, sempre de matrafona, o traje típico dos homens da cidade.

A tradição junta várias gerações em pleno corso, como a família de Ana Sousa e o marido Artúr Lázaro, que admitem ser uma família de foliões. Ambos mascarados de ciganos, acompanhados pela filha, de nove anos, com disfarce de gata, referem que são naturais da cidade e “vivem o carnaval intensamente”.

O carnaval de Torres Vedras, que gera receitas na ordem dos 10 milhões de euros na economia local, teve este ano como “convidados” o primeiro-ministro, Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, o líder do PS, António Costa, a chanceler alemã, Angela Merkel, banqueiros, o Zé Povinho e o futebolista Cristiano Ronaldo, algumas das caricaturas dos carros alegóricos que este ano desfilaram.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

O diabo de António Costa /premium

Luís Rosa

Se vem aí uma crise maior do que a de 2008, como diz Costa, então as promessas do PS de crescimento económico, aumento da despesa e superavit orçamental podem ser postas em causa.

António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa
683

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida
287

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)