A partir das 21h30 de hoje, o grande auditório do Rivoli recebe “Asmodexia”, de Marc Carreté, seguindo-se “Beautiful People”, de Brini Amerigo, obras que começam “um programa extremamente recente capaz de provocar arrepios ao mais experiente espetador de filmes de terror”, nas palavras da organização.

No dia seguinte, o “Extreme horror” prossegue com “Hunger Z (Hunger of the Dead)”, do japonês Naoto Tsukiashi, e “The Dead II: India”, de Howard J. Ford e Jonathan Ford, enquanto, na quinta-feira, o público do Fantasporto vai poder assistir a “Lost After Dark”, de Ian Kessner, e a “Mexico Barbaro”, um filme composto por oito partes realizadas cada qual pelo seu realizador.

A abertura oficial do evento vai decorrer na noite de sexta-feira, com o candidato sul-coreano aos Oscars, “Haemoo”, enquanto horas antes será possível ver em grande ecrã clássicos como “O Mundo a Seus Pés”, de Orson Welles, ou “Top Hat”, de Mark Sandrich, protagonizado por Fred Astaire e Ginger Rogers.

A 35.ª edição do Fantasporto, que termina a 08 de março, vai homenagear o produtor e realizador português Fernando Vendrell, num evento que vai exibir 57 filmes nacionais.

Adicionalmente, o festival conta com uma lista de convidados nacionais e estrangeiros que ultrapassa os 100, entre realizadores, protagonistas e representantes dos filmes presentes.

Para além da continuação do Encontro Nacional de Escolas e Cursos de Cinema, o Fantasporto vai estrear uma “Bolsa de Guiões”, e que, segundo a diretora Beatriz Pacheco Pereira, “pode ter textos desde contos, romances, argumentos”, entre outros.

Na semana passada, Beatriz Pacheco Pereira sublinhou que o festival vai ter um total de 103 sessões, com 173 filmes, 97 dos quais inéditos em Portugal, tendo realçado que “se não forem comprados não passarão no circuito comercial”.