Caso José Sócrates

Tribunal pede parecer ao MP sobre a prisão preventiva de Sócrates

Decisão do Tribunal da Relação sobre recurso do ex-primeiro-ministro vai demorar mais tempo porque foi pedido parecer ao Ministério Público, diz advogado de José Sócrates.

Tribunal da Relação deverá decidir se juiz Carlos Alexandre devia ou não aplicar a prisão preventiva

JOSE SENA GOULAO/LUSA

O tribunal da Relação de Lisboa pediu um parecer ao Ministério Público sobre a reavaliação da medida de prisão preventiva aplicada a José Sócrates, disse ao Observador o representante legal do ex-primeiro-ministro. Consequência imediata: a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa só deverá chegar em março e não esta semana, como era expectável.

Inicialmente, o Tribunal da Relação tinha até final do mês de fevereiro para decidir se a medida de coação aplicada ao ex-primeiro-ministro foi baseada nos pressupostos exigidos pela lei: perigo de fuga, perigo de continuação da atividade criminosa ou perigo de perturbação do inquérito. No entanto, a Relação decidiu pedir ao Ministério Público um parecer relativo aos recursos interpostos pelos advogados dos arguidos.

Se olhar para os acórdãos do Supremo não vai ver este género de pedido em processos semelhantes. Quanto muito, vê pedidos de parecer em processos de extradição”, disse ao Observador um dos advogados de Sócrates, Pedro Delille.

O pedido de parecer obriga a uma resposta por parte da defesa. Assim, a Relação espera, ainda, que os advogados enviem a sua posição (resposta) ao parecer do MP para depois poderem decidir se mantêm a decisão do juiz de instrução criminal, Carlos Alexandre.

Pedro Delille diz que a sua resposta será enviada esta terça-feira ou quarta-feira. Recorde-se que o juiz Carlos Alexandre tem até à meia-noite desta terça-feira para notificar Sócrates da reapreciação da medida de coação. O Correio da Manhã já avançou que a prisão se mantém, pelo menos, nos próximos três meses (até nova reavaliação), pelo que a defesa deverá apressar-se na resposta que deve entregar à Relação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)