Rádio Observador

Ambiente

Inventou as cápsulas de café, mas arrependeu-se. Prejudicam o ambiente. (“What else?”)

1.281

John Sylvan inventou as cápsulas que transformam um toque num botão num café, mas não as utiliza - nem máquina tem em casa. O problema são as consequências que a invenção tem no ambiente.

Em 1997, John Sylvan vendeu a parte que detinha na empresa que lançou com Peter Dragone

Neilson Barnard

Transformou a forma como o mundo consome café, mas hoje, confessa, “sente-se mal” com as consequências que a inovação pode estar a ter no ambiente. John Sylvan é o homem que criou as cápsulas K-Cup, semelhantes àquelas que George Clooney utiliza ao verbalizar o mítico slogan “Nespresso. What else?”, mas, em casa, nem sequer as utiliza.

Certo é que a invenção de Sylvan fez com que a Keurig Greeb Mountain – a empresa que lançou juntamente com Peter Dragone – se tornasse num gigante mundial, com receitas na ordem dos 4,7 mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros), em 2014, conta o The Independent.

A polémica em torno das K-Cup está, na verdade, acesa, depois de ter sido lançada a campanha “Kill the K-Cup”, que acusa a Keurig Greeb Mountain de ter produzido cápsulas suficientes em 2014 para dar a volta à Terra 10,5 vezes anualmente. O vídeo que ilustra a campanha mostra o planeta a ser invadido por um monstro de cápsulas e termina com o aviso “Matem o K-Cup, antes que ele mate o nosso planeta”.

Em 1995, John Sylvan teve de ser hospitalizado com palpitações no coração. A culpa foi dos 40 cafés que testava por dia para conseguir encontrar a “cápsula perfeita”. Dois anos depois, vendeu a parte que detinha na empresa e hoje partilha das mesmas preocupações ambientais que os promotores da campanha. À CBC disse que não entendia a popularidade das cápsulas, nem porque é que as pessoas têm máquinas destas em casa.

Acho que são demasiado caras”, diz.

Em casa, conta, todas as noites faz o café tradicional, com filtro, e coloca-o numa garrafa térmica. Quando acorda, já está feito. À The Atlantic, o empreendedor avançou que “às vezes, se sente mal” por ter inventado as cápsulas.

A Keurig Green Mountain diz que variantes das cápsulas produzidas a partir de 2006 são totalmente recicláveis e que os objetivos passam por, em 2020, 100% da produção ser amiga do ambiente. Contudo, os ativistas avançam que as cápsulas mais recentes só podem ser recicladas se os consumidores separarem cada uma das partes.

Sobre o assunto, a Nespresso disse que as suas cápsulas eram feitas de alumínio e que eram, por isso, “infinitamente recicláveis”.

Em Portugal, já houve algumas iniciativas do género, que envolveram o Banco Alimentar e a Nespresso. A “Reciclar é Alimentar” recolhe cápsulas usadas da marca para reciclagem e aproveita as borras para integrá-las num composto agrícola, que fertiliza terrenos de arroz no Alentejo.

Em abril de 2014, a Deco Proteste também se debruçou sobre o assunto e fez as contas: se cada pessoa beber dois cafés por dia, em 350 dias, consome cerca de 700 cápsulas, o que pode chegar a 700 g de alumínio, 5,7 kg de plástico ou 4,2 kg de papel.

Os resíduos de materiais gerados podem e devem ser transformados em novos produtos. As borras de café também têm solução: a extração e re-encaminhamento para valorização orgânica permitem obter um composto que pode ser usado como fertilizante agrícola”, lê-se.

Contudo, a associação explica que as cápsulas de café não são consideradas resíduos de embalagem por lei, mas que a quantidade de materiais pode ser aproveitada. Colocá-las no lixo está fora de questão e caso a marca (ou as lojas) das cápsulas não tenham locais específicos para depósito, a melhor solução é utilizar o ecoponto amarelo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)