O ator brasileiro Cláudio Marzo morreu este domingo na Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, aos 74 anos, onde estava internado devido a uma pneumonia desde o início de março, noticiou a edição online do jornal Globo.

Filho de uma família de operários e descendente de italianos, Cláudio Marzo abandonou os estudos aos 17 anos para trabalhar como figurante na TV Paulista e, aos 25 anos, foi convidado para trabalhar na TV Globo.

Integrou o primeiro grupo de atores contratados pela Globo, inaugurada em abril de 1965, responsável pela maioria das novelas brasileiras transmitidas em Portugal. As suas novelas mais famosas da época foram “Irmãos Coragem”, “Véu de Noiva” e “Brilhante”.

Em 1989, foi trabalhar na TV Manchete, onde fez parte das novelas “Kananga do Japão” de Wilson Aguiar Filho e “Pantanal”, de Benedito Ruy Barbosa. O seu retorno à TV Globo aconteceu em 1993, quando atuou em “Fera Ferida”. O seu último trabalho foi no seriado “Guerra e Paz”, em 2008. Cláudio Marzo participou também em 35 filmes.

“Sempre tive vontade de ser ator, achava uma coisa fantástica. Os atores emocionavam-me. Achava interessante transmitir emoções e consciência de mundo para as pessoas. Na época, eu acreditava, ingenuamente até, que o teatro pudesse modificar o mundo”, disse o autor numa entrevista antiga, citada hoje pelo jornal Globo.

O ator esteve casado com a atriz a Betty Faria, conhecida pelo seu papel na novela “Tieta”. “Guardo dele uma vida inteira de uma grande amizade”, afirmou ao jornal Extra.