Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rand Paul é o segundo republicano a anunciar a intenção de concorrer à Casa Branca. O senador do Kentucky afirmou esta terça-feira no seu site que vai entrar nas eleições primárias do seu partido, nas quais será escolhido o candidato às eleições presidenciais americanas de 2016, que se vão realizar a 8 de novembro do próximo ano.

Ted Cruz, o senador do Texas, foi o primeiro a dar o tiro de partida revelando na rede social Twitter que tenciona concorrer ao cargo que hoje é ocupado por Barak Obama. Os analistas e a imprensa americana antecipam uma corrida particularmente quente no Partido Republicano que terá a grande oportunidade de voltar a ocupar a Casa Branca depois do duplo mandato democrata.

O senador da Florida, Marco Rubio, o governador do Winscosin, Scott Walker, e o antigo senador da Florida, Jeb Bush, deverão marcar presença nas primárias republicanas que poderão ser as mais disputadas desde 1980, ano em que Ronald Reagan venceu os opositores no partido. Irmão e filho de ex-presidentes republicanos, George W. Bush e George Bush, Jeff Bush é para já o candidato mais bem posicionado nas sondagens para ganhar as primárias.

Já no Partido Democrata, as águas estão mais calmas. A candidata mais forte é Hilary Clinton que já revelou estar a ponderar seriamente concorrer, mas ainda não tomou uma decisão. Entre os outros prováveis candidatos, segundo o New York Times, posicionam-se Martin O’Malley, antigo governador de Maryland, e Jim Webb, que foi senador americano. O jornal americano desvaloriza a possibilidade do vice-presidente Joseph Biden concorrer e exclui a senadora Elizabeth Warren, que já afastou a sua candidatura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A lista do jornal americano tem muito mais candidatos republicanos – 12 entre os confirmados e os prováveis – do que democratas onde só aparecem para já três e todos ainda como prováveis.

Quem é Rand Paul? Um conservador libertário

O pai, Ron Paul, participou nas últimas primárias republicanas em 2012, o filho é o segundo a entrar na corrida para 2016. Rand Paul é descrito nos media americanos como um conservador libertário, cuja carreira política ganhou fôlego no contexto do movimento Tea Party que arrastou o Partido Republicano para a ala mais conservadora .

“Vou concorrer a presidente para devolver ao país os princípios de liberdade e da limitação do Estado”, afirmou o senador do Kentucky no seu site esta terça-feira. Entre as posições defendidas por este republicano estão a redução das penas para crimes de droga, a diminuição do papel dos serviços de informação e a restrição de operações militares fora dos Estados Unidos. Rand Paul afasta-se ainda mais da linha oficial republicana em matérias sociais como o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo onde apoia uma abordagem igualmente liberal.

O político de 52 anos foi eleito para o Senado em 2010 pelo estado do Kentucky onde tem exercido a profissão de oftalmologista. Rand Paul tem desenvolvido durante mais um de ano uma intensa campanha política nos estados que serão os primeiros a votar nas primárias do partido: Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul. Paul vai tirar partido da plataforma de voluntários que apoiou o seu pai nas ofensivas presidenciais de 2008 e 2012. No entanto, a sua ambição é seduzir uma camada mais vasta de apoios do que Ron Paul, que chegou a concorrer à Casa Branca em 1988 pelo Partido Libertário.

Para tal, o candidato terá de conquistar votantes fora do seu partido. Os estudantes universitários e o eleitorado negro, podem ser alvos improváveis da candidatura de Rand Paul que defende uma redução dos sistemas internos de vigilância e o alívio das penas por tráfico de droga.