Saúde

Conheça Teddy, o doador de órgãos mais jovem do Reino Unido

207

A criança viveu por 100 minutos e os seus rins foram doados a um paciente adulto com insuficiência renal. A história da criança ganhou as manchetes do país.

Captura de ecrã do bebé Teddy ao lado do seu irmão gémeo. Crédito: ITV/The Guardian

Autor
  • Milton Cappelletti

Cem minutos. Este foi o tempo em que Jess Evans e Mike Houlston, da cidade de Cardiff no Reino Unido, passaram ao lado do seu filho Teddy antes do falecimento da criança por anencefalia, uma má formação do cérebro que ocorre durante a formação embrionária. A história destes pais, comum a cada um entre 700 recém-nascidos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, podia ter um final triste, se não fosse pela sua decisão: doaram os rins de Teddy a um paciente adulto com insuficiência renal, tornando-o o bebé o mais jovem doador de órgãos de sempre do Reino Unido.

A história foi contada com pormenores esta quinta-feira pelo jornal The Guardian, após um ano da operação. Em janeiro deste ano, na altura do transplante, o Observador noticiou como o caso havia chamado a atenção do Reino Unido e ganha as páginas da revista científica Archives of Diseases in Childhood.

Em entrevista ao jornal inglês, Houlston explica a motivação da família. “Apesar de não ter estado muito tempo connosco, e que o tenhamos trazido para o mundo sabendo que não tinha esperança de vida, temos muito orgulho do seu heroísmo. Esperamos que a vida de Teddy inspire outros pais que se encontrem na posição de perder uma criança. (…). Ele viveu e morreu como um herói”, afirma.

No vídeo abaixo recuperado pelo The Guardian, Evans e Houlston contam como foram os primeiros momentos de vida de Teddy:

Angharad Griffith, a enfermeira que levou Teddy para a sala de cirurgia de transplante depois de este morrer, disse que o procedimento pode ser repetido em outros casos, apesar de o ceticismo das equipas médicas. “Sei que Jess e Mike acreditam firmemente que isso [a doação de órgãos de recém-nascidos] é algo que gostariam que outras famílias tivessem a oportunidade de fazer caso estejam na mesma posição. (…) Eles só acreditam que as famílias devem ter a escolha e deve ser algo considerado em circunstâncias semelhantes”, afirma à BBC Radio citada pelo The Guardian.

De acordo com Paul Murphy, médico do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, é raro que recém-nascidos sejam considerados para doação pelos próprios pais. Murphy confessa à publicação que desencorajou os pais de Teddy a fazerem a doação devido ao pouco tempo de vida do bebé, mas teve de encontrar uma maneira após a insistência da família. “Mike e Jess estavam determinados que deveria acontecer e, devido aos seus esforços, encontramos uma maneira”, explica. “Toda doação é inspiradora. É um ato altruísta de heroísmo. Mas a história de Teddy é excecional”, conclui.

Evans e Houlston tiveram filhos gémeos, mas apenas a Teddy foi dignosticado anencefalia. Durante o parto, o casal avisou aos médicos que gostava de passar alguns minutos com o filho, “mesmo que fosse por 10 minutos ou uma hora” e que isto os ajudou a tomar a decisão de doar os órgãos de Teddy. “Ajudou-nos saber que ele ajudou outra pessoa e também os médicos a perceberem que a doação por pequenos bebés é possível e é algo que pessoas como nós querem que aconteça”, assegura Houlston.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)