762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Quatro gráficos para entender como fala o mundo

Este artigo tem mais de 5 anos

Existem 7,2 mil milhões de pessoas e mais de sete mil línguas nativas. Mas como é que estas estão distribuídas? E qual é a língua mais falada?

Existem cerca de sete mil línguas no mundo
i

Existem cerca de sete mil línguas no mundo

Ilustração: Milton Cappelletti

Existem cerca de sete mil línguas no mundo

Ilustração: Milton Cappelletti

Estima-se que existam entre seis e sete mil línguas vivas no mundo, faladas pelos seus 7,2 milhões de habitantes.

A maioria delas é falada no continente asiático onde, de acordo com o Ethnologue, existem 2.301 línguas diferentes, que incluem o hindi e o árabe. Este número, para além das línguas oficiais de cada país, inclui ainda vários dialetos locais, isto é, sistemas linguísticos próprios de uma determinada região.

O gráfico mostra que, em comparação com a Ásia, a Europa fica muito atrás em termos de línguas vivas. No continente europeu existem apenas 286. O que significa quase menos 800 do que nas Américas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É também na Ásia que existe o maior número de falantes nativos. De acordo com um estudo da autoria de Ulrich Ammon, da Universidade de Düsseldorf, existem 1,39 mil milhões falantes de chinês (incluindo dialetos). A seguir ao chinês, as línguas mais faladas são o hindi e o urdu, duas línguas indo-iranianas originárias do norte da Índia, e o árabe, com 467 milhões de falantes, mais 100 milhões do que o espanhol.

Na lista das 12 línguas mais faladas, o português surge em oitavo lugar, com 193 milhões de falantes nativos. O número pode parecer bastante inferior à maioria das estimativas, que costumam colocar Portugal muito acima na tabela. Porém, é importante lembrar que os dados recolhidos por Ammom dizem apenas respeito aos falantes nativos, ou seja, àqueles que tem o português como língua materna.

Apesar de as línguas asiáticas serem as que têm o maior número de falantes nativos, o inglês continua a ser a língua mais falada mundialmente. Segundo o Ethnologue, o inglês é falado em 101 países diferentes, que incluem as antigas colónias britânicas como os Estados Unidos da América ou a Austrália. A língua é também oficial em 35 países diferentes, como os Camarões ou as Ilhas Fiji.

O grande número de falantes de inglês deve-se também à sua popularidade. Segundo Ammom, existem 1,5 mil milhões estudantes de inglês, o que significa que é a língua mais estudada no mundo inteiro.

Apesar da aparente diversidade linguística, a verdade é que existem cada vez menos línguas vivas. Muitos dialetos locais estão em vias de extinção e, de acordo com a UNESCO, cerca de metade das línguas que existem no mundo irão desaparecer até ao final do século.

No que diz respeito à Europa, o Atlas das línguas mundiais da UNESCO refere que são pelo menos 100 as línguas que podem estar em risco de desaparecer. A Rússia é o país que contém mais línguas em perigo, com 131 à beira da extinção. Desse número, 29 correm grande risco e 22 estão mesmo à beira da extinção.

As 22 línguas em vias de extinção incluem vários dialetos locais, como o mansi oriental ou a língua dos enets. O mansi é um dialeto falado na região oeste da Sibéria, que é atravessada pelo rio Konda. Não se conhece o número exato de falantes, mas acredita-se que esteja à beira de desaparecer. Por outro lado, acredita-se que a língua dos enets, uma população da zona de Krasnoyarsk-Krai, perto do rio Yenisei, seja falada apenas por 10 habitantes, de acordo com uma estimativa feita em 2005.

Outras línguas europeias que apresentam também uma posição vulnerável são o bretão, o iídiche e o lapão. O bretão é uma língua de origem celta, parente do galês, falada na Grã-Bretanha, enquanto o iídiche é uma língua germânica falada pelas comunidades judaicas da Europa Central e Ocidental. O lapão, por outro lado, é o nome dado a um conjunto de línguas faladas no norte da Europa, nas regiões da Noruega, Suécia, Finlândia e noroeste da Europa.

A título de curiosidade, existem dialetos em risco de extinção em Portugal com movimentos que os pretendem preservar, entre eles o mirandês, o barranquenho e o minderico.

As causas são várias. Entre estas incluem-se a concentração em grandes cidades, os movimentos migratórios e a pressão para usar outras línguas por motivos políticos e sócio-económicos. Porém, uma coisa parece ser certa — a perda da diversidade linguística tem um impacto negativo no património cultural.

Para Sarah Sheil e Magdalena Pasikowska-Shnass, do Serviço de Investigação do Parlamento Europeu, esta é uma realidade que pode por em causa a diversidade cultural europeia e potenciar uma perda do conhecimento e do património cultural. Segundo alguns estudos recentes, a diminuição do número de línguas pode mesmo ter um impacto negativo na conservação da biodiversidade.

Segundo a UNESCO, existe uma ligação fundamental entre a língua e o conhecimento tradicional. Muitas comunidades locais e indígenas criaram um sistema de classificação complexo do mundo natural, que reflete o seu próprio entendimento do meio envolvente. Este conhecimento está enraizado no vocabulário e nas tradições orais da comunidade, que se podem perder com o desaparecimento da língua.

Apesar de a preservação da diversidade linguística ser da responsabilidade dos governos, a União Europeia (UE) tem tomado algumas medidas no sentido de apoiar os dialetos ou as línguas minoritárias. Exemplo disso é o Artigo n.º 3 do TEU, onde é referido a obrigação de respeitar a diversidade linguística na UE.

Contudo, organismos como a Foundation for Endangered Languages e a Civil Society Platform on Multilingualism defendem que a União Europeia deveria ter um papel mais ativo na preservação das línguas em risco. Algumas recomendações incluem a criação de um plano de ação com disposições especiais para as línguas em perigo e um orçamento para a sua preservação. Algumas organizações defendem ainda um maior apoio na área da investigação e do ensino.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.