A deputada do Bloco de Esquerda Cecília Honório vai deixar o seu lugar na bancada da Assembleia da República já esta quarta-feira, confirmou a própria ao Observador. Os motivos alegados são “sobretudo profissionais”, disse, não querendo no entanto adiantar mais pormenores sobre a questão. Eugénia Taveira, numero quatro do círculo de Faro, vai substitui-la, por agora, no cargo.

Ao Observador, fonte do Bloco de Esquerda acrescentou que a saída precoce da deputada, a uma semana de terminar oficialmente a legislatura, prende-se com o facto de Cecília Honório ser professora e de, por isso, ter de preparar com a devida antecedência o próximo ano letivo para retomar as suas funções.

Confirmada a renúncia, Cecília Honório deixa o lugar de deputada já esta quarta-feira e não irá integrar as listas do Bloco de Esquerda para as eleições legislativas do outono. Eleita pelo círculo de Faro, a deputada bloquista já faz parte do grupo parlamentar do BE há dez anos, desde 2005.

Uma vez que os dois nomes que imediatamente se seguem nas listas do Bloco de Esquerda, João Vasconcelos e João Carlos Brandão, se mostraram temporariamente indisponíveis para assumir funções, o nome que se segue é Maria Eugénia Taveira, quarto lugar no círculo de Faro, que deverá assumir funções como deputada já a partir desta quarta-feira e até ao final da legislatura. Também professora, Eugénia Taveira foi, em 2007, eleita membro do Conselho Nacional da Fenprof.

Renovação bloquista

Apesar da renúncia de Cecília Honório ser mais prematura, certo é que o Bloco de Esquerda parece estar a preparar uma renovação da linha da frente. Também a deputada Helena Pinto, que está no Bloco de Esquerda desde a sua fundação e na Assembleia da República também desde 2005, confirmou ao Observador que vai deixar o Parlamento no final da legislatura e não vai integrar as listas do partido às legislativas deste ano.

A opção é sua, disse, não querendo no entanto avançar com mais pormenores sobre o seu afastamento por não ser o “momento oportuno”: a legislatura “ainda está a decorrer” e o Bloco de Esquerda ainda não “finalizou a elaboração das listas”. O mesmo deverá acontecer a Luís Fazenda, um dos fundadores do Bloco e atual deputado que representa a corrente da UDP dentro do partido.

As listas do BE para as legislativas só deverão ser conhecidas na íntegra em julho, mas certo é que os históricos e fundadores deverão mesmo ficar sem palco e os mais jovens e proeminentes dentro do partido deverão subir vários degraus: Mariana Mortágua, por exemplo, a jovem deputada de 29 anos que substitui Ana Drago no Parlamento em 2013 e que ganhou mediatismo na comissão de inquérito ao BES, vai ser a cabeça de lista por Lisboa, enquanto a irmã gémea, Joana Mortágua, vai ser a número um no distrito de Setúbal. A coordenadora do BE, Catarina Martins, deverá candidatar-se pelo Porto.