Os número são do Instituto Nacional de Estatística: há em Portugal quase 100 mil edifícios a precisarem de grandes reparações e cerca de 60 mil muito degradados. E sendo os dados relativos a 2011, hoje, quatro anos mais tarde e apenas algumas obras depois, os números até podem ter-se agravado.

Foi por isso que a Universidade de Aveiro, através do Departamento de Engenharia Civil, decidiu criar, a partir do ano letivo de 2015/2016, uma licenciatura em Reabilitação do Património, a primeira do género no país. E conta já com quase duas dezenas de alunos inscritos. Emprego, à partida, não lhes vai faltar.

“A criação da licenciatura em Reabilitação do Património responde a uma necessidade atual de promover a formação de técnicos para exercer atividade na área da salvaguarda, manutenção, conservação, e reabilitação do património”, explica Aníbal Costa, o diretor da nova licenciatura.

A abertura da licenciatura, acrescenta o especialista em reabilitação e conservação de edifícios, “enquadra-se numa estratégia para o desenvolvimento sustentável do país procurando contribuir para a revitalização da economia, através de uma aposta forte na economia e cultura ao nível das regiões, através do uso de materiais, recursos e de técnicas desses locais, que poderão sustentar a aposta no turismo como meio de promoção do património reabilitado”.