Os seguristas estão em polvorosa. Ainda não têm a certeza se entram nas listas todos os nomes da anterior direção que entendem que merecem ser candidatos e já estão divididos, acusando à boca pequena Álvaro Beleza de não estar a defender como deve ser a representação de Seguro.

A maior parte dos seguristas está a ser escolhida pelas federações, que estão durante esta semana a fazer reuniões para acertar os nomes a propor – a lista final será aprovada na terça-feira em reunião da comissão política. Alguns vão entrar pela quota do secretário-geral, como Álvaro Beleza, amigo e que fez parte do Secretariado Nacional de António José Seguro, Eurico Dias, conselheiro de Seguro e membro do grupo de economistas que elaborou o cenário macroeconómico para o PS por convite de Costa, Alberto Martins, deputado e ex-ministro da Justiça, ou João Soares, deputado (Lisboa).

E há outros que parecem não ter qualquer hipótese. É o caso do atual deputado Miguel Laranjeiro, o ex-governador civil de Lisboa António Galamba, o ex-porta-voz do PS para as questões internacionais, João Assunção Ribeiro, o ex-líder da UGT, João Proença, ou Isabel Coutinho, presidente do Departamento das Mulheres Socialistas. José Junqueiro e Mota Andrade, atuais deputados, recusaram ir nas listas por não serem cabeças de lista nos seus distritos. Mota Andrade é líder da Federação e mesmo assim não encabeça a lista pela primeira vez em vários anos.

“Isto é uma desgraça”, desabafou ao Observador um segurista, lembrando que Laranjeiro, por exemplo, foi secretário nacional para a Organização com duas vitórias no currículo: as autárquicas de 2013 e as europeias de 2014. Laranjeiro não foi indicado pela sua concelhia (Guimarães) por apenas um voto e a única hipótese seria ser ‘salvo’ pela quota do líder. Outro acusa Costa de não estar a cumprir os estatutos que dizem que o secretário-geral deve negociar os cabeça de lista com o presidente da federação e não impô-los. Sobre Álvaro Beleza, que já liderara as negociações com Costa para os órgãos internos do PS na sequência do congresso, dizem que não está a fazer todos os esforços para defender os principais apoiantes do ex-líder. “Faço o que posso”, costuma dizer Beleza, enquanto fonte da direção de Costa garante que o esforço é de “abrangência” se se olhar para a totalidade do grupo e que as críticas são “só porque A ou B” não entra.

Mesmo assim, os seguristas poderão ficar representados em quase todos os distritos. A expectativa é a de colocarem pessoas como José Luís Carneiro, Ricardo Bexiga, Fernando Jesus, Joana Lima (Porto), António Sales (Leiria), Nuno Sá (Braga), José Manuel Carpinteira (Viana do Castelo), Jamila Madeira (Faro), Rosa Albernaz (Aveiro), Pedro Coimbra (Coimbra), António Gameiro (Santarém), António Borges (Viseu), Francisco Rocha (Vila Real). Em Setúbal, não há ninguém. De qualquer forma, a lista só fica fechada daqui a seis dias e até lá as negociações entre seguristas e Costa continuam.