A Rússia entrou em recessão este segundo trimestre, registando dois trimestres consecutivos de contração do PIB pela primeira vez desde a crise financeira de 2009. A economia russa contraiu em 4,6% em relação ao mesmo período de 2014 – a maior queda em seis anos. A estimativa ao crescimento (negativo) da economia foi ainda pior do que o valor previsto pelos economistas, o que pode ser explicado pela nova descida nos preços do petróleo, que terá contribuído para que o rublo voltasse a cair, escreve o Financial Times.

A contração de 4,6% do PIB no segundo trimestre veio na sequência da descida de 2,2% nos primeiros três meses do ano. A primeira estimativa para o segundo trimestre poderá ainda ser revista em baixa quando surgir uma segunda estimativa. As estatísticas oficiais russas para o retalho, produção industrial e rendimentos das famílias – incluídas neste valor – estão a registar valores inferiores aos que contribuíram para esta primeira estimativa.

O ministro da Economia da Rússia garantiu esta terça-feira, em reação a estes dados oficiais, que a economia não irá contrair-se tanto no terceiro trimestre, em curso, do que no segundo trimestre. Por outras palavras, Alexei Ulyukayev indica que o pior trimestre terá sido o segundo e que a economia está a recuperar. Ainda assim, o responsável não excluiu que o governo tenha de rever as projeções económicas para a totalidade do ano de 2015, depois deste segundo trimestre pior que o previsto.

No primeiro trimestre de 2015 a economia russa tinha “encolhido” 2,2% e, até junho, o Governo russo garantia que o pior da crise já teria passado, à medida que o rubro estabilizava após uma queda vertiginosa no final do ano passado. Mas o consumo interno continua a ressentir-se da incerteza, o que se ilustra pela descida de 9,4% das vendas a retalho no mês de junho. A produção industrial, por seu lado, caiu quase 5% no segundo trimestre, depois da estagnação registada nos primeiros três meses do ano.

* Texto editado por Filomena Martins