Os hackers que roubaram as informações pessoais dos utilizadores do website de infidelidade Ashley Madison divulgaram na Internet 9,7 gigabytes de dados roubados, tal como tinham ameaçado fazer caso o site não fosse desligado. A Avid Life Media, empresa detentora do site, confirmou esta terça-feira que se encontra “ativamente a monitorizar e a investigar esta situação para determinar a validade de qualquer informação publicada online, revela o Financial Times.

Os dados foram divulgados pelo grupo de hackers autointitulado “Impact Team” na deep web – parte da Internet indetetável por motores de busca. Contudo, a informação já se encontra acessível na Internet “habitual”.

De acordo com o Telegraph, entre as informações divulgadas encontram-se dados de cartões de crédito ainda ativos que incluem milhões de transações individuais, o nome da pessoa em causa, a morada, os últimos quatro dígitos dos cartões de crédito e o valor pago. O mesmo jornal afirma ainda que entre os nomes divulgados estarão cerca de 100 funcionários do Governo do Reino Unido.

O blog de segurança KrebsOnSecurity alertou inicialmente para a eventual falta de autenticidade das informações divulgadas online pelo grupo de hackers, contudo, algumas fontes começam agora a confirmar que os dados divulgados são de facto verdadeiros.

Na altura do roubo, em julho, o grupo “Impact Team” afirmou ter em sua posse informações de toda a base de dados do website, incluindo dos membros que já tinham pago para as suas contas serem apagadas.