Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Andrew Wylie, um militante acérrimo do Partido Conservador, quis fazer uma experiência. Sabendo que, pela primeira vez, qualquer pessoa que assinasse uma declaração de princípios e pagasse 3 libras (4,25 euros) podia votar nas eleições do Partido Trabalhista, tentou a sua sorte.

“Ouvi dizer que havia entre 80 mil e 90 mil novos militantes e que só havia 40 pessoas a tratar desses processos, então pensei, bem, vamos lá fazer as contas. Apercebi-me de que havia uma boa possibilidade de eu poder passar despercebido”, explicou ao diário britânico The Guardian.

Estes números, que dizem respeito a junho, cresceram a olhos vistos desde então: o mesmo jornal indica que o número de eleitores aptos a votar nas eleições internas do Partido Trabalhista subiu dos 200 mil de então para cerca de 600 mil. Jeremy Corbyn, o deputado trabalhista socialista que quer fazer do Labour o Syriza britânico e que aparece destacado nas sondagens com 53% dos votos, pode ser a razão por detrás desta histeria entretanto cunhada como “Corbynmania“.

#toriesforcorbyn

Wylie tornou-se num deles. Para se inscrever, Wylie diz que assinou uma declaração onde garantia “apoiar os objetivos e os valores do Partido Trabalhista” e que não era “um apoiante de qualquer organização com ideias contrárias” — o que é falso — e disse ainda que era um antigo militar — o que também é falso –, uma vez que assim só teria de pagar 1 libra pela inscrição.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A partir desse momento, este militante conservador tornou-se num dos maiores desestabilizadores das eleições dos trabalhistas. “Vamos ser honestos, a única hipótese que os trabalhistas tiveram de ganhar umas eleições desde meados dos anos 70 foi quando o Tony Blair afastou o partido da esquerda, porque a esquerda não cativava o Reino Unido. E a resposta do Labour agora é levar o partido ainda mais à esquerda. Como é que isso vai funcionar?”, perguntou ao The Guardian. Não se sabe ainda qual é a resposta do eleitorado — as próximas eleições legislativas serão apenas em 2020 — mas Wylie, apostando na ideia de que as eleições ganham-se no centro, quer fazer o possível para diminuir as hipóteses de um êxito dos trabalhistas. E, assim, fundou o movimento “Tories For Corbyn“. Conservadores Por Corbyn, com direito a hashtag no Twitter: #toriesforcorbyn.

Wylie não é propriamente discreto, mas também não é o único a embarcar nesta onda: Tim Loughton, um deputado do Partido Conservador, inscreveu-se como eleitor trabalhista, deixando como contacto o seu endereço de e-mail da Câmara dos Comuns. E à medida que os boletins de voto são enviados pelo correio (o voto é por correspondência), vários militantes conservadores têm colocado fotografias nas redes sociais depois de terem feito uma cruz à frente do nome de Jeremy Corbyn. E Wylie garante que recebeu três boletins em casa — mas o Partido Trabalhista diz que só enviou um.

https://twitter.com/MarcherLord1/status/633554350707765248/photo/1?ref_src=twsrc%5Etfw

Mas não é só a partir da direita que surgem aqueles que querem votar nas eleições dos trabalhistas. No início de agosto, 260 pessoas que figuravam nas listas do Partido Verde, da União de Esquerda e da Coligação Sindical e Socialista tentaram — sem sucesso — entrar na lista de eleitores.

Telegraph: suspensão das eleições foi hipótese

Para evitar estas situações, o Partido Trabalhista contratou uma equipa de advogados que deverá assegurar o normal funcionamento das suas eleições internas. “O partido está concentrado em assegurar que as regras do partido são seguidas à risca”, disse ao The Guardian uma porta-voz da líder interina do partido, Harriet Harman. “Estamos a receber aconselhamento jurídico para garantir que as regras são cumpridas.” Outro porta-voz referiu que o sistema eleitoral interno é “robusto” e que “todas as inscrições para membro do partido, afiliado ou simpatizante são verificadas e aqueles que não partilham os valores do Labour não terão direito ao voto”.

Segundo o Daily Telegraph, Harman chegou a equacionar a hipótese de suspender as eleições devido aos números anormais de novas inscrições no partido — algo que foi negado pelo partido. “A suspensão do processo eleitoral não foi discutida. Houve sim uma discussão para perceber se o processo estava a funcionar.”

Britain Elections 2015 - Labour campaigning

Foi no mandato de Ed Miliband, líder dos trabalhistas entre 2010 e 2015, que o sistema de eleição no Labour ficou aberto a simpatizantes

Não era isto que Ed Miliband, o líder dos trabalhistas derrotado nas eleições legislativas de maio deste ano, esperava quando decidiu abrir o processo das eleições internas para lá dos militantes do partido. Até esta mudança, os votos tinham uma ponderação diferente de um simples sistema de “um membro, um voto”: um terço dos votos era dado aos deputados trabalhistas (no Reino Unido e em Bruxelas), um terço para os sindicatos afiliados ao partido e um terço para os militantes.

Seja pelos votos de pessoas à esquerda do Labour, ou daqueles à direita que, quase por chacota, se inscreveram para participar, Jeremy Corbyn deverá sair vencedor da primeira volta destas eleições — para vencer é preciso reunir mais de metade dos votos. As sondagens mais recentes, do YouGov, apontam esse cenário como possível: Corbyn aparece com 53% dos votos, seguido de Andy Burnahm (21%), Yvette Cooper (18%) e Liz Kendall (8%).