Depois do terramoto de segunda-feira, com epicentro em Xangai, a bolsa de Lisboa abriu hoje em terreno positivo, com o PSI 20, o principal índice da praça lisboeta, a subir 1,22%, para os 5.042,12 pontos. Menos de uma hora depois da abertura da sessão a tendência era de subida, estando o PSI 20 a registar ganhos de 3%. Lisboa acompanha o rumo da Europa, que acordou esta terça-feira toda no verde, a negociar com ganhos.

Depois de terem recuado drasticamente na segunda-feira negra, o Banif, a Pharol, a EDP e a Galp lideram hoje as ações da bolsa de Lisboa.

Perto das 8h30, das 18 empresas cotadas, 14 subiam, três caíam e uma mantinha-se inalterada, a Teixeira Duarte, nos 0,478 euros, com o índice PSI 20 a seguir em linha com o comportamento das principais praças europeias que negociavam também com ganhos.

No dia seguinte ao pânico que se instalou na bolsa de Xangai, de Hong Kong e do Médio Oriente, justificado sobretudo pelo abrandamento da economia chinesa, pela desvalorização do yuan e pela queda das matérias-primas, em particular do petróleo, a praça portuguesa está a corrigir em alta, segundo analistas citados pela agência de informação financeira Bloomberg, seguindo a evolução do resto da Europa.

As ações da do Banif subiam 3,85% para 0,0054 euros, a Pharol (antiga PT SGPS) recuperava 2,08% para 0,245 euros, a EDP valorizava 1,85% para 3,03 euros e a Galp ganhava 1,52% para 8,742 euros. Já o restante setor financeiro apresentava hoje um comportamento positivo com o BCP a subir 0,89% para 0,0568 euros e o BPI a recuperar 0,11% para 0,896 euros.

Os CTT e a retalhista Jerónimo Martins subiam, respetivamente, 1,1% e 1,02%, para 8,979 euros e 11,845 euros, pela mesma ordem. A contrariar os ganhos destaca-se a Impresa, que caía 1,43% para 0,69 euros, e a Mota-Engil, que avançava 0,66% para 1,954 unidades.

Na segunda-feira, o principal índice da bolsa de Lisboa (PSI 20) encerrou a perder 5,80%, com todas as cotadas em queda, num dia de fortes perdas nas bolsas europeias, penalizadas pela inquietação quanto ao abrandamento da economia chinesa e do crescimento mundial. O PSI20 encerrou em 4.981,26 pontos e o Banif foi o título que mais recuou (-10,34%).

Na Europa, Londres terminou ontem a sessão a perder 4,67%, Paris caiu 5,35%, Frankfurt recuou 4,70% e Madrid cedeu 5,01%, num dia negro para os mercados após a queda de 8,49% registada na bolsa de Xangai.

Europa recupera

Mas esta manhã, na abertura da sessão, todas as principais praças europeias estavam a responder positivamente, sem perdas, contrariando o encerramento em quebra dos mercados asiáticos. De Londres a Lisboa, passando por Madrid, Paris e Frankfurt, estavam todas no verde, sendo que a bolsa grega, depois da maior queda na segunda-feira, era a que mais estava a recuperar.

O índice FTSE da bolsa de Londres abriu a subir 1,49%, depois de ontem ter fechado com perdas de 4,67%, o Dax de Frankfurt registou um aumento de 1,74% (ontem fechou com prejuízos de 4,70%) e o CAC-40 de Paris abriu a subir 1,7%, revertendo algumas das pesadas perdas sofridas no dia anterior (queda de 5,35%), que alguns analistas apelidaram de “segunda-feira negra”, devido à inquietação quanto ao abrandamento da economia chinesa e do crescimento mundial.

O principal índice do mercado espanhol, o IBEX 35, subiu 1,25% na abertura da sessão, depois de registar perdas nos últimos dias. A bolsa de Milão abriu igualmente em alta, com o FTSE MIB a ganhar 2,01% para os 20,861 pontos, recuperando depois da quebra de 5,96% na véspera.

A bolsa suíça abriu a sessão de hoje a subir 1,24% nos 8.574,15 pontos, e todas as ações que integram o índice SMI dos 20 principais valores estavam em alta.

Em Moscovo, o índice de referência RTS abriu a subir 0,4%, situando-se nos 727,69 pontos.

Minutos depois de iniciadas as operações, o índice subia 1,49% relativamente ao encerramento de segunda-feira.