António Guterres vai abandonar o cargo de alto-comissário da ONU para os refugiados no final do mandato, que termina este ano, avança a Agência Reuters. A notícia surge numa altura em que a Europa enfrenta a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

“Vai embora. O contrato termina no final de dezembro e ele não vai renovar”, afirmou Melissa Fleming, porta-voz da ACNUR, à Reuters.

Este ano, em Fevereiro, a Assembleia-Geral das Nações Unidas prolongava o mandato do antigo-primeiro-ministro que devia terminar em junho. Na altura, a decisão partiu de uma sugestão de Ban Ki-moon,  secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

António Guterres é, aliás, um nome que tem saltado várias vezes para a opinião pública como possível substituto de Ban-Ki-moon.

Já em Abril deste ano, o socialista dizia à Euronews (numa entrevista noticiada em exclusivo pelo Expresso): “Não sou candidato a ser candidato. Sempre me interessei pelo serviço público e pretendo continuar a fazê-lo, mas o que gosto mais de fazer é o tipo de função que tenho atualmente, que permite ter uma ação permanente e direta a sobre o que se passa no terreno”, diz o antigo governante, dando a entender que pretende mesmo avançar para a liderança da ONU.”

Ainda esta quinta-feira, a propósito da atual crise de refugiados, Guterres tinha pedido à Europa que acolhesse mais pessoas que fogem da guerra civil na Síria.

O antigo primeiro-ministro foi eleito para o cargo de Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) a 15 de junho de 2005, e eleito Assembléia Geral das Nações Unidas. Substituindo Ruud Lubbers, dos Países Baixos. Cinco anos depois foi reeleito para o segundo mandato, aquele que terminava em junho deste ano e foi prolongado.

O antigo-primeiro-ministro é o décimo Alto Comissário da agência da ONU para refugiados.

Pouco tempo depois deste anúncio, chega outro: Helle Thorning-Schmidt, a ex-primeira-ministra dinamarquesa, já apresentou a candidatura ao cargo, durante uma conferência de imprensa em Copenhaga, com o atual primeiro-ministro dinamarquês.