O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, escusou-se a comentar a marcação de jogos de futebol da I Liga para o dia das legislativas, mas deixou claro que espera que estas “eleições sejam o mais concorridas possível”

Em Braga, no final de uma visita ao Instituto de Emprego e Formação Profissional, Passos Coelho não quis comentar o facto de Benfica, FC Porto e Sporting irem jogar na sétima jornada da I Liga portuguesa de futebol no dia das eleições legislativas, marcadas para 4 de outubro.

“Eu não quero pronunciar-me sobre essa matéria. Quero apenas dizer que espero que as eleições sejam o mais concorridas possível pelos eleitores porque isso é sempre um sinal positivo da nossa democracia”, disse.

Perante a insistência dos jornalistas, o primeiro-ministro considerou que “as pessoas podem dispersar a sua atenção por muitas outras coisas” e que os cidadãos não são obrigados “a estarem fechados em casa dois dias a refletir até ao dia em que vão votar”.

“O país não para. As pessoas não vão parar por causa disso. O que é importante é que estejam despertas para aquilo que são as escolhas que vão estar à sua disposição com as eleições”, evidenciou, considerando por isso que “a campanha eleitoral tem uma relevância muito grande”.

Passos Coelho explicou ainda que estava em Braga “na qualidade de primeiro-ministro” e que por isso não queria “estar a confundir as coisas”.

“Também tive conhecimento dessa reação da CNE e parece-me muito bem que a Comissão Nacional de Eleições se pronuncie sobre essa matéria”, respondeu ainda.

Benfica, FC Porto e Sporting vão jogar na sétima jornada da I Liga portuguesa de futebol a 04 de outubro, dia das eleições legislativas, segundo o comunicado com as alterações às próximas nove jornadas divulgado hoje pela Liga.

O Benfica é a primeira equipa a entrar em ação no domingo das eleições, no estádio do União da Madeira, às 16:00 horas, seguindo-se o FC Porto, que recebe o Belenenses a partir das 18:15 e o Sporting, que começa às 20:30 em casa frente ao Vitória de Guimarães.

Ao Observador, o porta-voz do PSD, Marco António Costa, afirmou que a existência de jogos de futebol em dia de eleições “é irrelevante”. “A democracia está suficientemente madura para que as pessoas, cientes da importância desta eleição, participem de forma massiva”, afirmou.