Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ficou assim dividido: a Alsa fica com a subconcessão da STCP e a Transdev com a do Metro do Porto. Quem o anunciou foi o Secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, esta sexta-feira. Estas duas empresas foram as escolhidos de um grupo de 4 candidatos finais, onde se incluíam também a Barraqueiro e a Gondomarense.

Depois de ter fracassado o acordo com os catalães do TCC, que não entregou a garantia bancária necessária para assumir a operação da STCP e que há um ano tinha ganho estas mesmas subconcessões, as duas propostas vencedoras significam, segundo o Jornal de Negócios, uma melhoria total de 18 milhões de euros.

O processo de subconcessão da STCP e do Metro do Porto foi relançado em Agosto, tendo terminado o prazo para a entrega das respetivas propostas no âmbito do ajuste direto esta quinta-feira. Foram convidadas a participar as 24 entidades que há um ano levantaram o caderno de encargos.

Esta decisão do Governo de relançar a concessão do Metro do Porto e da STCP por ajuste direto a pouco mais de um mês das eleições legislativas provocou uma série de reações de indignação e de protesto, sobretudo por partes das autarquias envolvidas. Surgiu até o movimento de cidadãos contra a privatização dos transportes do Porto que, depois de abrir uma página no Facebook, começou a levar os protestos para as ruas. O ponto alto dos protestos foi a organização de um cordão humano, no passado dia 1, que juntou mais de 500 pessoas na estação de metro da Trindade, no Porto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR