816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Sondagens do dia: coligação PàF desce nas intenções de voto

Este artigo tem mais de 5 anos

As duas sondagens mostram a coligação PSD/CDS a descer nas intenções de voto. No entanto, no estudo da Intercampus, a diferença para o PS atinge um valor recorde - é que o PS também não sobe.

i

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Desta vez, as duas sondagens diárias parecem coincidir em dois pontos: a coligação desce nas intenções de voto dos portugueses e a CDU sobe, embora a ritmos diferentes. Mas o PS também não consegue descolar nas sondagens – o melhor que consegue é manter o resultado. Em tudo o resto, os estudos diferem.

Na tracking poll da Intercampus para a TVI/TSF e Público, divulgada esta segunda-feira, a coligação, agora com 37,9% das intenções de voto, aumenta a distância para o PS e consegue a maior diferença registada até agora – 5,8 pontos percentuais. O que este estudo traz de novo em relação a domingo, é a descida quer de PàF, quer de PS, embora os socialistas tenham caído a um ritmo mais elevado.

Já na sondagem da Universidade Católica para a RTP, a coligação desce 1 ponto percentual (está agora nos 40%) e o PS conseguiu manter-se nos 34%. Estes números parecem mostrar que PSD/CDS estão a perder algum terreno para os socialistas.

Ainda assim, nenhuma das sondagens mostra o PS a crescer: na da Intercampus, os socialistas descem nove décimas e parecem ter estabilizado no estudo da Católica.

O que diz a sondagem da TVI?

Além de mostrar as duas forças políticas a descerem, o estudo da Intercampus para a TVI/TSF e Público traz boas notícias para Bloco de Esquerda e CDU. No caso dos bloquistas, destaque para a subida de 0,8% nas intenções de voto, enquanto os comunistas conseguiram subir uma décima em relação a domingo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O número de inquiridos que diz estar indeciso em quem votar também parece ter diminuído em relação à sondagem anterior, estando agora nos 21,4%.

O mesmo aconteceu com o número de entrevistados que diz preferir votar em partidos sem parlamentar – esse valor está agora nos 3,9%, quando no domingo era de 4,1%. Olhando para o que tem acontecido ao longo de toda a semana, os partidos sem assento parlamentar parecem estar a perder espaço nesta corrida legislativa.

E o que diz a sondagem da RTP?

Ao contrário do que acontece com a tracking poll da Intercampus, nesta sondagem a coligação parece perder algum terreno para PS – no sábado, a diferença estava nos 10 pontos percentuais; dois dias depois, são 6 os pontos que separaram coligação e PS, que se mantém com 34%.

Diferente é também o crescimento dos partidos à esquerda do PS. No estudo da Católica, CDU consegue um crescimento de 1 ponto percentual, enquanto que Bloco de Esquerda mantém-se nos 7%.

O número de indecisos também se mantém em relação a domingo (25%) e o mesmo aconteceu com o número de entrevistados que diz votar noutros partidos (5%).

A tracking poll da Intercampus para a TVI/TSF e Público foi feita com uma amostra de 1.025 entrevistas, com uma taxa de resposta de 58,3% e uma margem de erro 3,1%. A sondagem da Universidade Católica para a RTP foi feita com uma amostra de 1071 entrevistas, uma taxa de resposta de 58% e uma margem de erro de 3%.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos