O ex-ministro socialista Jorge Coelho defendeu este domingo que o PS deve dar liberdade de voto aos seus militantes e abster-se de apoiar algum candidato na primeira volta das presidenciais de janeiro.

“A última coisa que o PS pode fazer nas presidenciais é tomar qualquer decisão que cause instabilidade. O PS deve dar liberdade de voto e ter isenção total na primeira volta das eleições”, afirmou Jorge Coelho no programa “Quadratura do Círculo”, da SIC Notícias.

O ex-ministro defendeu ainda que o PS deve “fazer um acordo com os candidatos [Maria de Belém Roseira e Sampaio da Nóvoa], dizendo que apoiará o que passar à segunda volta”.

“Se não fazem isso é uma derrota humilhante”, alegou, recordando que faltam “três meses para as eleições [presidenciais]” e que tal “é incompatível com congressos ou o que quer que seja feito”.

Maria de Belém diz que “não há muito para inventar”

Maria de Belém disse na CMTV que “o Presidente da República deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para o país ter um Governo estável”. A candidata à presidência defendeu que Cavaco Silva “tem de seguir os procedimentos da Constituição” e que não havia “muito para inventar”.

Sobre a vitória da coligação PàF e a derrota do PS, Maria de Belém adiantou que os portugueses “tiveram receio de mudar o que conhecem, o que é certo, pelo que não conhecem” e que o PS “saberá analisar internamente os resultados e tirar conclusões”.