Rádio Observador

Maquilhagem

Contornos à Kim Kardashian? A moda agora é outra

Esqueça tudo o que leu sobre os contornos. "Strobing" pode ser uma palavra difícil de pronunciar mas é uma técnica muito mais fácil de fazer. E só de precisa de um produto à mão: um iluminador.

Iluminar o rosto é a nova forma de se maquilhar e é muito menos complicada do que fazer contornos.

S. Alemdar/Getty Images

Autor
  • Helena Magalhães

A palavra strobing diz-lhe alguma coisa? Provavelmente ainda não tinha ouvido falar dela mas, não havendo tradução literal, vem de strobe (em português, estroboscópio) que se refere à luz das discotecas que pisca muito rapidamente. E o que é que isto tem a ver com maquilhagem? Nada, é verdade. Mas o strobing inspirou-se no conceito “flash de luz” que, neste caso, é como dar um pico de luz aos pontos principais do rosto.

Esta nova moda veio no seguimento do boom dos contornos, tornados famosos do grande público por Kim Kardashian, como falámos num artigo publicado em julho. E, como tudo nesta internet é efémero, a arte do contouring deu lugar à arte do strobing. E eis que chegámos ao dia de hoje. Diga olá aos contornos para mulheres preguiçosas.

O que é o strobing?

Gostávamos de ter sido nós a lembrar-nos desta máxima — contornos para mulheres preguiçosas sumariza de forma divertida o que é esculpir o rosto apenas com um produto (deixando, assim, de parte os pós, as sombras escuras e as claras que são precisas no contouring), e foi criado pela famosa plataforma digital PopSugar que, em agosto, escreveu que o strobing veio substituir os contornos porque é mais simples de fazer: foca-se essencialmente em iluminar as zonas do rosto onde a luz já bate naturalmente — bochechas, osso das sobrancelhas, o centro da testa, cana do nariz e queixo. 

Dar luz às zonas principais do rosto vai fazer com que a pele pareça mais radiante, fresca e saudável. A melhor parte? Tudo isto pode ser feito com um único produto — o iluminador.

Os iluminadores aumentaram as vendas em 48%

De janeiro a agosto de 2015, as vendas dos iluminadores dispararam em todo o mundo. Uma notícia do jornal britânico Daily Mail dizia, no mês passado, que a venda destes produtos nas maiores marcas de cosmética representava uma estimativa de lucro de 500 milhões de euros.

Justine Jenkins, maquilhadora de inúmeras celebridades, explicou ao Daily Mail que já usa a técnica do strobing há muitos anos nas suas clientes porque permite iluminar instantaneamente a pele, acrescentando o fator da simplicidade: para nós, mulheres comuns e não profissionais, o strobing é muito mais prático do que os contornos porque é uma técnica mais fácil e rápida de se fazer. Para além disso, podemos dizer ainda que deixa um resultado muito mais natural.

Como fazer o strobing?

  1. Prepare a pele com a sua base ou o seu BB Cream.
  2. Use o iluminador do centro da testa até à ponta do nariz, nos cantos internos dos olhos, abaixo das sobrancelhas, e do canto externo do olho até à bochecha.
  3. Se quiser criar a ilusão de queixo mais pequeno, aplique iluminador também aí.
  4. Para deixar os lábios maiores, ilumine o arco do lábio superior e a linha do lábio inferior.
  5. Com um pó mais escuro, ou um pó de bronze, escureça (com a ajuda de um pincel fino) um pouco as laterais da testa e, para afinar o nariz, escureça um pouco as laterais do nariz.
  6. No fim, aplique o seu pó translúcido ou matificante e o seu blush, normalmente. 

Lembre-se que esta deve ser a última etapa da sua maquilhagem e já deve ter os olhos totalmente pintados — para evitar resíduos de sombras a cair e a estragar toda a iluminação.

6 iluminadores ideais para strobing

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)