Lá, sol, lá, sol, sol, fá, mi. “Sombrio é o domingo, gasto-o todo com sombras. O meu coração e eu decidimos acabar com tudo isso”. 

Estes são os primeiros acordes da música composta em 1933 pelo pianista húngaro Rezso Seress e fala sobre o desgosto de um homem abandonado pela mulher que ama e que pondera matar-se. Uma história triste, com certeza, mas sabia que a BBC a proibiu por 61 anos porque provocaria suicídios em massa?

Tudo começou com uma partitura composta por Rezso Seress chamada Vége a Világnak, que se traduz para português como “o mundo acabou-se”, conta o El País. Era uma canção demasiado forte, por isso a letra foi repensada: a melodia passou a acompanhar um poema de Lászlo Jávor chamado Szomorú Vsárnap, isto é, “domingo sombrio”. Foi esta a versão que veio a público em 1935, com a voz de Pal Kalmar a cantar “num triste domingo com centenas de flores brancas, eu estava à tua espera, minha querida, com uma oração”.

Podia ser uma música melancólica, mas tornou-se mais do que isso no ano seguinte ao lançamento, quando a Time noticiou uma onda de suicídios na Hungria relacionados com “Gloomy Sunday”. Começou com um sapateiro, Joseph Keller, que a polícia teria encontrado morto junto a um bilhete onde tinha escrito alguns versos daquela canção. Depois, no rio Danúbio, vários corpos teriam sido vistos a boiar com a partitura da música nas mãos. E dois outros suicídios, perpetrados com arma de fogo, também estiveram associados a “Gloomy Sunday”.

Ainda na década de trinta, a imprensa norte-americana deu conta que a onda de suicídios já tinha chegado aos Estados Unidos. Nesta altura, a canção já era conhecida como “canção húngara do suicídio”, mas tornou-se mais famosa quando a estrela do jazz Billie Holiday a cantou. A partir daí, 19 suicídios teriam acontecido depois de as vítimas terem ouvido “Gloomy Sunday”. A BBC decidiu, então, tomar medidas extremas: a “canção húngara do suicídio” passou a ser proibida na programação. A censura começou em 1941 e esteve em vigor até 2002.

O mistério prosseguiu: uns acreditavam piamente que aquelas mortes tinham sido provocadas pela canção de Rezso Seress, que em 1968 se suicidou enforcando-se com um arame, depois de ter tentado o suicídio atirando-se de uma janela. Nesse ano, o cantor escolhido para interpretar “Gloomy Sunday” – na altura considerado o Rei do Tango – perdeu a voz depois de uma operação à garganta. Ainda assim, muitos continuavam céticos sobre a relação entre uma e outra coisa.

Quarenta anos depois de o criador da canção ter morrido, dois investigadores lançaram um artigo sobre o assunto na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. Nele escreveram que não descobriram uma relação de causa-consequência entre a audição da música e a tendência para o suicídio, nem conseguiram dados suficientes para averiguar se tinha havido um aumento no número de suicídios nos anos 30. Mas fazem uma ressalva: caso o número de pessoas que se mataram com as próprias mãos tenha aumentado nesse período, era possível que tal se tivesse devido ao panorama que a Europa vivia naquele momento – com a ascensão do nazismo. 

Ao longo da História, nem só o heavy metal esteve relacionado com uma suposta tendência para o suicídio: foi o caso de Efeito Werther, uma obra de Johann Wolfgang von Goethe, que terá causado uma onda de mortes no século XVIII. Mas os especialistas sublinham que o poder da música pode fazer-se sentir, não porque esta tem uma natureza fantasmagórica, mas antes porque pode haver uma queda para comportamentos suicidas nas pessoas que escutam a canção.