Rádio Observador

Literatura Infantil

O livro (e a editora) que vai pôr pai e filho a respirar

361

Arquiteta, blogger e mãe, Inês Castel-Branco criou uma editora independente e uma nova coleção infantil que promove o diálogo entre pais e filhos. Entre os três livros, há um que ensina a respirar.

"Respira" é o primeiro livro infantil escrito e ilustrado por Inês Castel-Branco.

Não é propriamente fácil definir Inês Castel-Branco. Andar oito anos de volta das teclas de um piano não fez dela pianista. Ter uma exposição de pintura aos 16 anos — depois de ter experimentado aguarela, carvão e óleo — também não a tornou pintora. E nem mesmo os anos dedicados à aquitetura lhe deram o rótulo de arquiteta. Inês é tudo isso e mais: é dona de uma editora independente que começa agora a escrever os primeiros parágrafos na literatura infantil, além de ser escritora, ilustradora, blogger e mãe.

Pode ter nascido em Lisboa, vivido a adolescência em Castelo Branco e passado férias em Aveiro, como ainda passa. Mas foi em Barcelona que Inês Castel-Branco encontrou tudo o que tem hoje: o trabalho, o marido e os filhos. A editora independente Fragmenta foi fundada por ela e pelo marido em 2007. Apostada em temas fraturantes, como religião, pensamento e filosofia, nasceu na sala de estar de um apartamento com 60 metros quadrados, quando o filho mais velho tinha apenas meses. Desde então, o negócio e a família cresceram: marido, mulher e os três filhos mudaram-se para uma casa maior que, à semelhança da anterior, serve como local de trabalho.

retrato Ines Castelo Branco

Inês Castel-Branco

A Fragmenta surgiu como resposta a um vazio no mercado e soube alargar as abas dos livros para reservar o seu lugar. Mas começar do zero não foi propriamente fácil: “Tivemos sustos, mas nunca faltou rigor. Lembro-me da primeira vez que tivemos de escrever às livrarias, escrevemos 800 cartas. Eu e o meu marido preparámos 800 envelopes na véspera… Neste negócio temos de saber fazer de tudo um pouco”, diz Inês Castel-Branco, lembrando uma máxima do arquiteto Siza Viera, que considera tão importante a construção de uma cidade como a de um puxador de porta. Inês pode não construir maquetes de arranha-céus no seu dia-a-dia, mas admite que há ciência em medir livros, escolher o tipo de letra e o formato do papel. E se por norma é o marido quem trata dos textos junto dos autores, a ela cabe-lhe a responsabilidade do design.

Pequena Fragmenta - foto 2

“Hoje respirámos como uma árvore”

Do desenho à escrita, Inês está a entrar pelo mundo da literatura infantil adentro. Aliás, já passou a soleira da porta e não esconde que quer ir mais longe. O seu primeiro e único livro, Respira, é um dos três da nova coleção infantil batizada de Pequena Fragmenta — composta ainda pelas obras Histórias de Nasrudín e Funâmbulus, além dos cincos livros que estão a caminho.

capa respira

O livro vai ser apresentado sábado, dia 12, na capela do Rato. Custa 12,90€.

Respira quer ensinar a pais e filhos a arte de inspirar e expirar e foi escrito e ilustrado por Inês, que teve três sérios consultores e coautores: Francesc, Anna e Miquel, de nove, sete e cinco anos, respetivamente. Mãe e filhos estão por trás de um total de 40 páginas que promovem exercícios de respiração além de um diálogo cativante entre duas personagens — o menino que não consegue adormecer e a mãe que o recebe de braços abertos. No fim, há um guia para explicar tintim por tintim tudo o que foi lido até ali chegar.

Respira PT 2

Imagem do livro “Respira”

Respira não veio ao acaso e é o resultado da maternidade. Inês explica que os três filhos andam numa escola de freiras onde todos os dias, ao despertar da manhã, são convidados a fazer uma espécie de meditação. Foi assim que, certo dia, o trio chegou a casa a contar “hoje respirámos uma árvore”. A referência a um dos exercícios de respiração que os alunos fazem em ambiente escolar serviu de mote para o livro em questão.

Respira PT 4

E porque falar de um livro é falar dos três, Histórias de Nasrudín aposta num protagonista lendário chamado — muito a propósito — Nasrudín. A figura de um sábio louco e as suas histórias são descritas com uma dose discreta de humor e escondem mensagens simples, desde a desajeitada lógica humana que é insuficiente para apreciar o que a natureza nos oferece à inutilidade de objetos que não sabemos usar. Já a obra Funâmbulus, que em latim quer dizer equilibrista, assenta num conto sobre a arte de viver em equilíbrio — entre sonhos, aventuras e provas superadas.

Nasrudín PT 5

Imagem do livro referente à personagem Nasrudín

Estes não são livros para deixar nas mãos de crianças e já está. O livro Respira é um pretexto para estarmos juntos, para respirarmos juntos. Respirar não é só uma questão de fisiologia e interfere a um nível mais profundo, está em sintonia com a nossa vida”, garante Inês, que olha para os livros como “pequenas” obras de arte. “Cuidamos muito dos livros e cada um deles foi pensado milimetricamente. Queríamos dar-lhes um tom artesanal, com ilustrações de peso, de acordo com as histórias.”

O blogue que nasceu na cama do hospital

Arquiteta dos desenhos ilustrados, rabiscados, e das palavras. Mas também uma mãe habituada a fazer de materiais aparentemente inúteis verdadeiros instrumentos de uma brincadeira de crianças. Inês Castel-Branco é ainda a autora do blogue Mamã Recicla, onde se encontram várias sugestões de peças reaproveitadas — exemplo disso é o escudo do Capitão América em fotogaleria.

Os momentos de diversão descritos nessa página virtual são muitos, mas nem por isso nasceram de acasos felizes. “O blogue nasceu a partir do hospital”, conta Inês, lembrando-se dos seis meses que o filho mais velho passou “preso” à cama enquanto combatia um linfoma. Como as horas dos dias demoravam demasiado tempo a passar, Inês arregaçou as mangas e trouxe de casa diversos materiais para dar vida a novas criações. E foi a imensidão de cartolinas e afins que eram vistas sobre a cama do filho que lhe deram a alcunha de “mamã recicla”. O blogue seria, então, uma questão de tempo.

As brincadeiras pelas quais Inês é responsável têm na imaginação um forte aliado, o que ela diz ser um ferramenta para a vida que rivaliza com o vício das consolas e dos videojogos. Até há três meses não havia televisão em sua casa e, atualmente, os filhos da autora apenas podem passar tempo diante da “caixa mágica” à hora de almoço nos fins de semana. “Não há videojogos. Há tanta coisa para fazer que não sentimos falta. Não é o nosso caminho, nós gostamos mais de sujar as mãos”, argumenta, não sem antes dizer que “as crianças são criativas por natureza” e que “quanto mais diferentes forem, melhor. A ideia da uniformidade horroriza-me.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)