A informação é avançada pelo Jornal de Notícias. As autoridades portuguesas estão em alerta depois de a Interpol e a polícia espanhola terem alertado para a possibilidade de três terroristas ligados aos atentados de Paris estarem em Portugal – um deles poderá ser um dos cabecilhas. De acordo com a edição desta sexta-feira do jornal, os suspeitos estão armados e são designados como “extremamente perigosos”.

O Expresso diz, contudo, que o alerta sobre estes terroristas não é para Portugal, mas para toda a Europa, segundo aquilo que o jornal apurou junto das autoridades responsáveis pela investigação e acompanhamento do processo do Estado Islâmico em Portugal.

Os suspeitos citados pelo Jornal de Notícias chamam-se Kevin Guiavarch e Memdi Kaddour, com cerca de 20 e 22 anos. O terceiro suspeito poderá ser Samir Bouzid, um dos nomes (possivelmente falso) já ligados aos atentados de Paris. Suspeita-se que um deles esteja acompanhado de uma mulher e crianças e que poderão estar escondidos ou a passar por Portugal e Espanha. Sabe-se ainda que os três têm estado a combater na Síria desde 2014.

No Alto Minho, a fronteira com Espanha está fechada e estão 115 militares da GNR a colaborar com inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) a controlar quem entra e sai do país. Na quinta-feira, foram fiscalizados 19 cidadãos estrangeiros: seis franceses, cinco tunisinos, quatro chineses e quatro marroquinos.

Além disso, as autoridades portuguesas aumentaram a vigilância nos aeroportos e as fiscalizações internas de documentos, conta o Jornal de Notícias.

Costa desvaloriza: ameaça não é só para Portugal

O primeiro-ministro português, António Costa, já reagiu à informação, desvalorizando a ameaça.

“Não há razão para alarme, de todo. Há [um] alerta geral da Interpol, dirigido a todos os países, segundo aquilo que são as informações das forças de segurança. Não há nenhuma suspeita concreta de qualquer um daqueles indivíduos esteja em Portugal“, afirmou o PM.