São cerca de 20 os militantes da Distrital de Coimbra que, segundo uma investigação da Polícia Judiciária, terão cometido crimes de falsificação de documentos, no preenchimento de centenas de fichas de filiação no partido. Contudo, o Ministério Público quer evitar que sejam julgados em tribunal e chegou a acordo para que o julgamento seja trocado por pagamentos em dinheiro ou trabalho comunitário. A notícia é da edição desta sexta-feira do Jornal de Notícias.

De acordo com o que o jornal avança, para que o processo seja suspenso provisoriamente ainda falta que a juíza do Tribunal de Instrução Criminal dê a sua “concordância” – algo que poderá ocorrer durante esta sexta-feira ou na próxima semana. Os crimes de falsificação de documentos estarão relacionados com a introdução ou validação de nomes, moradas e outros dados pessoais falsos em fichas de filiação de novos militantes, em 2011.

Entre os 20 militantes estarão antigos e atuais autarcas, dirigentes de órgãos locais do partido e da Juventude Socialista e pelo menos um deputado da anterior legislatura, avança o Jornal de Notícias. Durante a investigação, o PS entregou 1583 fichas ao Ministério Público.

Quem fez a denúncia foi a ex-presidente da Sé Nova, em Coimbra, Cristina Martins, e para que o processo seja suspenso é preciso que esta dê o seu consentimento. Ao Jornal de Notícias, Cristina Martins referiu que o seu objetivo era a “transparência no PS e a seriedade da democracia”. A suspensão provisória do processo pode durar até dois anos.

As 600 fichas de filiação que mereceram a atenção da Polícia Judiciária dizem respeito ao ano de 2011, altura em que o presidente da Distrital era o atual deputado Pedro Coimbra e o secretário-geral do partido era António José Seguro, mas ambos negaram qualquer relação com o processo.