Portugal aparece em segundo lugar no top dos impostos mais pesados sobre a gasolina nos 28 países da União Europeia, já depois de ponderado o poder de compra. Esta é uma das conclusões de um estudo realizado pela Deloitte, que já considera o aumento do imposto sobre produtos petrolíferos de seis cêntimos, aprovado pelo governo. Só a Roménia tem uma carga fiscal mais pesada, incorporando o efeito do poder de compra.

A mesma análise feita para o gasóleo, o combustível mais vendido em Portugal, conclui que o peso dos impostos é o quinto mais alto da União Europeia.

“Até ao recente aumento da tributação dos combustíveis em Portugal, encontrávamo-nos em 5º lugar no que se refere à gasolina e em 12º no gasóleo, o que significou um salto de três posições quanto ao primeiro combustível e de sete no que se refere ao segundo”, refere Afonso Arnaldo, fiscalista da Deloitte, citado em comunicado. Estas contas têm por base o imposto petrolífero, mas também o IVA.

A comparação é mais favorável, quando é considerada a tributação absoluta, e sem ponderar o poder de compra. O estudo da Deloitte diz que a tributação da gasolina passou a ser a quinta mais pesada, quando antes da atualização do imposto este combustível ocupava o 12º lugar no ranking europeu. O gasóleo, em termos absolutos, passou a ter a 10ª tributação mais elevada, quando antes estava na 19ª posição.

O estudo da Deloitte alerta, ainda, para a disparidade entre a carga fiscal sobre os combustíveis entre Portugal e Espanha, país onde muitos condutores, sobretudo de pesados, vão abastecer para pagar impostos mais leves e preços mais baixos. A gasolina espanhola tem os terceiros impostos mais baixos sobre a gasolina, considerando o poder de compra. Pelo mesmo critério, o gasóleo espanhol beneficia da quarta carga fiscal mais reduzida na UE.

Os impostos portugueses representam mais de 60% do atual preço médio por litro da gasolina, tendo agora também ultrapassado a barreira dos 50% quanto ao gasóleo.