Rádio Observador

Amor

Para ser irresistível não basta ser bonito, mas estas três coisas ajudam

Ser sexy não se esgota no que está à vista. Há outras formas de cativar quem está à nossa volta e que a ciência tem vindo a confirmar.

Ser sexy vai para além da roupa, do olhar e de um batom vermelho.

Getty Images

Autor
  • Carolina Santos

Seja ou não um cliché, a verdade é que a beleza nunca será suficiente para tornar uma pessoa irresistível. De pouco ou nada serve a uma pessoa ser muito bonita se não souber falar, não for interessante ou não tiver um tema de conversa.

A Time juntou cinco coisas que tornam uma pessoa realmente sexy e que não implicam usar micro calções, das quais nós escolhemos três que, apesar de serem do conhecimento geral, muitas vezes são esquecidas.

1. O sentido de humor é sexy

É um clássico. Toda a gente gosta de rir e é um dom saber fazer os outros darem gargalhadas. Estudos recentes mostram que embora homens e mulheres digam que apreciam o sentido de humor num potencial parceiro, não se estão a referir ao mesmo. As mulheres gostam de homens que as façam rir e os homens gostam de mulheres que riam das suas piadas.

Segundo um estudo feito a 400 estudantes universitários, os investigadores Gil Greengross e Geoffrey Miller constataram que a inteligência geral e a inteligência verbal funcionam como uma previsão da capacidade de produzir humor, a qual, por sua vez, serve como uma previsão do número de parceiros sexuais. Os investigadores também descobriram que os homens têm níveis médios de produção de humor mais altos. Greengross acredita que o sentido de humor evoluiu, pelo menos parcialmente, através da seleção sexual como um indicador de inteligência.

No decorrer do estudo observou-se que os homens que eram “os palhaços” do grupo têm três vezes mais probabilidades de receber o número de telemóvel de uma mulher do que aqueles que se limitam a rir das piadas dos amigos.

2. A personalidade é sexy

Um defeito nunca vem só, e o mesmo se pode dizer de uma qualidade. Segundo estudos realizados com pessoas de várias culturas, mais propriamente de dez regiões do mundo, as pessoas agradáveis e conscientes são melhores maridos, mulheres e pais, já as que são desagradáveis e inconscientes têm mais parceiros sexuais — ou seja, exibem níveis mais altos de promiscuidade –, e têm tendência para a infidelidade.

3. A forma como se sente ao lado de alguém é sexy

Vários estudos têm mostrado que nós não nos apaixonamos por uma pessoa mas sim pela forma como nos sentimos quando estamos com ela. E isto demonstra-se através do conceito de “contágio emocional”: somos péssimos a explicar o que nos faz sentir de determinada maneira, mas ótimos a fazer associações. Sentir-se animado ou estimulado está muito relacionado com as pessoas que o rodeiam, mesmo que as pessoas não sejam a causa direta desse estado de epírito. Pode parecer estúpido reduzir uma relação à forma como alguém nos faz sentir, mas a verdade é que o perigo e a emoção podem salvar casamentos. Se um casal sentir emoção proveniente de outras fontes, como atividades desafiantes feitas em conjunto, essa experiência partilhada pode reacender a paixão, uma vez que as pessoas vão associar a emoção à relação e não à montanha-russa, por exemplo.

Claro que há outros fatores que tornam uma pessoa sexy, como ter temas de conversa, ter à vontade para partilhar a sua vida ou sentir que se é desejado. A Time até vai mais longe e escreve que o amor à primeira vista também é sexy e que para acontecer consigo basta acreditar que ele existe. Claro que tudo vai depender do conceito que cada um tem da palavra, mas estas dicas permitem, pelo menos, ter um ponto de partida por onde começar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor

O último tabu: que não se adie o amor! /premium

Eduardo Sá
843

Ao contrário do que parece, primeiro não nasce a paixão; e, só depois, o amor. A paixão não é a porta de entrada do amor. A paixão é o lugar mais longínquo a que se chega com o amor!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)