481kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A incrível história do professor que atravessa um rio a nado há 20 anos para dar aulas

Este artigo tem mais de 5 anos

O dia-a-dia de Abdul Mallik, um professor indiano de 40 anos, é mais do que insólita; é inspiradora. E os alunos reconhecem a sua dedicação.

i

NDTV

NDTV

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há professores que são inesquecíveis nas nossas vidas. Mais do que recordar-lhe o rosto, o tom meigo da voz, mais do que aquela nota de mão-cheia (que talvez nem merecêssemos tanto assim), recordamos-lhes os ensinamentos, os escolares e os humanos. Sobretudo estes últimos. Moldam-nos, os professores. E moldam-nos quando mais precisamos de ser moldados: na infância.

Certamente que nenhum dos alunos que nos últimos vinte anos foram ensinados por Abdul Mallik o esqueceu ou esquecerá. Este professor indiano, quarentão, de bigode aprumado e óculos à Mahatma Gandhi, começou a dar aulas em 1992 em Malappuram, no estado de Kerala, ao sul da Índia. Mallik não vivia propriamente longe da escola primária onde foi colocado. Mas tinha um problema pelo meio. Literalmente pelo “meio”: um rio, visivelmente poluído. Para contorná-lo, o professor tinha que madrugar, caminhar dois quilómetros a pé até à estação de autocarros mais próxima, apanhar um, depois outro autocarro, e lá chegava à escola. Mais de três horas depois. Isto quando os autocarros não se atrasavam ou, de tão à pinha que iam, os perdia.

Abdul Mallik pensou numa alternativa: e se atravessasse o rio a nado? De sua casa ao rio não demorava mais de dez minutos a pé. Depois, atravessado o rio, trocaria de roupa do outro lado e só tinha mais um quilómetro de estrada até chegar à escola. Assim pensou, assim fez.

A razão principal para a escolha de Abdul Mallik, confessaria mais tarde, não foi somente a poupança no tempo — e nas rupias. A Índia vive, desde há muito, um problema grave de abandono escolar. Mallik queria que o seu exemplo de superação incentivasse os alunos a, também eles, não faltaram às aulas. E tem conseguido. Há vinte anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.