Rádio Observador

Biologia

Entender os golfinhos para comunicar com extraterrestres?

Os sons dos golfinhos podem não ser considerados como linguagem, mas a frequência com que emitem certos sinais é equivalente à linguagem humana. Será que os extraterrestres usam o mesmo padrão?

Os golfinhos usam um conjunto complexo de sons

JORGE CERVERA HAUSER

Embora com duas dimensões completamente diferentes, compreender a linguagem dos golfinhos e descobrir se existem extraterrestres são dois desafios aos quais a humanidade se tem dedicado. O que talvez não saiba é que estes dois temas podem estar de certa forma relacionados.

Em 1961, quando o homem estava determinado a encontrar vida extraterrestre com a qual pudesse comunicar, surgiu a Ordem do Golfinho, numa conferência da Academia Nacional das Ciências, nos Estados Unidos. Neste grupo estavam incluídos três prémios Nobel, o ainda jovem Carl Sagan e John Lilly, refere o blogue Nautilus.

Foi o trabalho de John Lilly na comunicação entre espécies, nomeadamente dos golfinhos, que deu nome à ordem. No fundo, o grupo tinha esperança que se alguma vez conseguíssemos comunicar com golfinhos talvez tivéssemos capacidade de comunicar com extraterrestres. Note-se que este grupo estava ligado ao instituto SETI, que busca inteligência extraterrestre – uma organização sem fins lucrativos que conta, por exemplo, com o apoio da NASA (agência espacial norte-americana).

Uma das grandes questões da comunicação dos golfinhos é definir se os sons que emitem podem ser classificados de linguagem, com a mesma interpretação com que dizemos que a linguagem humana o é. Os assobios dos golfinhos carecem de algumas características linguísticas inerentes à linguagem humana, como ser influenciado pela cultura, poder referir-se a conceitos abstratos ou criar novas palavras. Ainda assim, os golfinhos têm a capacidade comunicar sobre diferentes aspetos do ambiente que os envolve. Mais, os golfinhos podem mesmo usar a linguagem para promover a cooperação entre indivíduos para resolver problemas, como noticia a revista New Scientist.

A linguagem humana, independentemente da língua, apresenta um padrão comum, segundo a lei de Zipf. E tem tudo a ver com a quantidade de vezes que determinadas palavras são usadas. A palavra mais frequente aparece duas vezes mais do que a segunda palavra mais frequente e três vezes mais do que a terceira palavra mais frequente, e por aí em diante.

Os guinchos e assobios dos golfinhos apresentam um padrão que é compatível com a lei de Zipf. Embora não seja suficiente para dizer que os sons dos golfinhos são linguagem, abrem uma porta para procurar este mesmo padrão nos sons e sinais que nos chegou do espaço. Assim, os investigadores do SETI pretendem usá-lo como uma espécie de filtro para os “ruídos espaciais”e diminuir o risco de descartar o primeiro “olá” interestelar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)