O Tribunal Central de Lisboa chumbou esta quarta-feira o pedido de Manuel Pinho, ex-ministro da Economia, para que lhe fosse atribuída uma reforma milionária do Novo Banco e do fundo de pensões do Banco Espírito Santo (BES), noticia a TVI.

O ex-ministro exigia um acordo de pensão de reforma de 7,5 milhões de euros e uma atribuição de uma pensão vitalícia de 21.500 euros mensais. Segundo o próprio, o ex-ministro do Governo de José Sócrates tinha um acordo com Ricardo Salgado, o ex-presidente do BES, para se reformar aos 55 anos, com uma pensão equivalente a 100% do seu salário. No entanto, as negociações do processo foram interrompidas antes do colapso do BES.

Manuel Pinho afirmou ser portador de uma carta assinada por Ricardo Salgado a garantir o acordo para receber a reforma antecipada, mas o tribunal deu este facto como não provado.

Manuel Pinho perdeu a ação interposta em abril de 2015 contra o Novo Banco e o fundo de pensões do antigo Banco Espírito Santo e ficará obrigado a pagar as custas do processo.