A curta-metragem de ficção “Rampa”, de Margarida Lucas, foi primeira vencedora dos Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, gala que está a decorrer esta noite de sexta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

No documentário foi igualmente distinguida a curta-metragem “Fora da Vida”, de Filipa Reis e João Miller Guerra, e, na animação, “Amélia & Duarte”, de Alice Guimarães e Mónica Santos.

Carla Chambel, pelo desempenho no derradeiro filme de Paulo Rocha, “Se eu fosse ladrão, roubava”, conquistou o Sophia de melhor atriz secundária.

“Rampa”, apresentada no 23.º Curtas de Vila do Conde, conta a história de Matilde, uma adolescente de 14 anos, que vive o divórcio conflituoso dos pais, “Amélia & Duarte”, que tem produção de Abi Feijó e foi apresentada em Seattle, fala de uma separação, e “Fora da Vida”, estreado no IndieLisboa em 2015, dá continuidade ao projeto dos realizadores nos caminhos suburbanos de Lisboa.

Na sequência da gala, serão ainda entregues o Prémio Sophia Estudante e as estatuetas de Melhor Ator Secundário, Melhor Guarda Roupa, Melhor Direção Artística, Melhor Caracterização e Melhor Documentário em Longa-Metragem.

Seguir-se-á então o Prémio Sophia de Carreira, este ano atribuído à atriz Carmen Dolores, que antecede o Melhor Ator Principal e os vencedores das categorias Melhor Som Melhor Música, Melhor Fotografia, Melhor Argumento Original e Melhor Montagem, sucedendo-se então a entrega do segundo Prémio Carreira desta edição dos Sophia, ao diretor de fotografia Fernando Costa.

Para o final da cerimónia fica a entrega das estatuetas de Melhor Atriz Principal, Melhor Realizador e, por fim, de Melhor Filme.

Com as 17 nomeações de “Amor impossível”, António-Pedro Vasconcelos lidera, pelo segundo ano consecutivo, a lista de nomeados dos prémios Sophia. No ano passado, o realizador conquistou nove prémios Sophia com a longa-metragem “Os gatos não têm vertigens”.

Nesta quinta edição dos Sophia, o filme “Yvone Kane”, de Margarida Cardoso, soma dez nomeações, tantas quantas a comédia “Capitão Falcão”, de João Leitão, que, no entanto, ficou fora das categorias de melhor filme e realização.

“Montanha”, primeira longa-metragem de João Salaviza, está nomeada para oito Sophia.

Para melhor filme, além das longas-metragens de António-Pedro Vasconcelos, Margarida Cardoso e João Salaviza, foi igualmente nomeada a longa-metragem “As Mil e Uma Noites – Volume 2, O Desolado”, da trilogia de Miguel Gomes.

Os quatro realizadores estão também nomeados para o prémio Sophia respetivo.

“Pára-me de repente o pensamento”, de Jorge Pelicano, “Volta à Terra”, de João Pedro Plácido, “Alto Bairro”, de Rui Simões, e “Portugal-Um dia de cada vez”, de João Canijo e Anabela Moreira, estão indicados para melhor documentário, em longa-metragem.

O melhor filme dos Prémios Sophia será exibido no âmbito da Festa do Cinema, a decorrer de segunda a quarta-feira, em todo o país.

Os Prémios Sophia, que distinguem os profissionais do cinema nacional pelos seus próprios pares, foram lançados em 2012, um ano depois da criação da Academia Portuguesa de Cinema.