Centro Cultural De Belém

Margarida Lucas, Filipa Reis e João Miller Guerra vencem os primeiros ‘Sophia’ da noite

A curta-metragem de ficção "Rampa", de Margarida Lucas, foi primeira vencedora dos Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, gala que está a decorrer esta noite, no Centro Cultural de Belém.

ALBERTO FRIAS/LUSA

A curta-metragem de ficção “Rampa”, de Margarida Lucas, foi primeira vencedora dos Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, gala que está a decorrer esta noite de sexta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

No documentário foi igualmente distinguida a curta-metragem “Fora da Vida”, de Filipa Reis e João Miller Guerra, e, na animação, “Amélia & Duarte”, de Alice Guimarães e Mónica Santos.

Carla Chambel, pelo desempenho no derradeiro filme de Paulo Rocha, “Se eu fosse ladrão, roubava”, conquistou o Sophia de melhor atriz secundária.

“Rampa”, apresentada no 23.º Curtas de Vila do Conde, conta a história de Matilde, uma adolescente de 14 anos, que vive o divórcio conflituoso dos pais, “Amélia & Duarte”, que tem produção de Abi Feijó e foi apresentada em Seattle, fala de uma separação, e “Fora da Vida”, estreado no IndieLisboa em 2015, dá continuidade ao projeto dos realizadores nos caminhos suburbanos de Lisboa.

Na sequência da gala, serão ainda entregues o Prémio Sophia Estudante e as estatuetas de Melhor Ator Secundário, Melhor Guarda Roupa, Melhor Direção Artística, Melhor Caracterização e Melhor Documentário em Longa-Metragem.

Seguir-se-á então o Prémio Sophia de Carreira, este ano atribuído à atriz Carmen Dolores, que antecede o Melhor Ator Principal e os vencedores das categorias Melhor Som Melhor Música, Melhor Fotografia, Melhor Argumento Original e Melhor Montagem, sucedendo-se então a entrega do segundo Prémio Carreira desta edição dos Sophia, ao diretor de fotografia Fernando Costa.

Para o final da cerimónia fica a entrega das estatuetas de Melhor Atriz Principal, Melhor Realizador e, por fim, de Melhor Filme.

Com as 17 nomeações de “Amor impossível”, António-Pedro Vasconcelos lidera, pelo segundo ano consecutivo, a lista de nomeados dos prémios Sophia. No ano passado, o realizador conquistou nove prémios Sophia com a longa-metragem “Os gatos não têm vertigens”.

Nesta quinta edição dos Sophia, o filme “Yvone Kane”, de Margarida Cardoso, soma dez nomeações, tantas quantas a comédia “Capitão Falcão”, de João Leitão, que, no entanto, ficou fora das categorias de melhor filme e realização.

“Montanha”, primeira longa-metragem de João Salaviza, está nomeada para oito Sophia.

Para melhor filme, além das longas-metragens de António-Pedro Vasconcelos, Margarida Cardoso e João Salaviza, foi igualmente nomeada a longa-metragem “As Mil e Uma Noites – Volume 2, O Desolado”, da trilogia de Miguel Gomes.

Os quatro realizadores estão também nomeados para o prémio Sophia respetivo.

“Pára-me de repente o pensamento”, de Jorge Pelicano, “Volta à Terra”, de João Pedro Plácido, “Alto Bairro”, de Rui Simões, e “Portugal-Um dia de cada vez”, de João Canijo e Anabela Moreira, estão indicados para melhor documentário, em longa-metragem.

O melhor filme dos Prémios Sophia será exibido no âmbito da Festa do Cinema, a decorrer de segunda a quarta-feira, em todo o país.

Os Prémios Sophia, que distinguem os profissionais do cinema nacional pelos seus próprios pares, foram lançados em 2012, um ano depois da criação da Academia Portuguesa de Cinema.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

O dr. António Sousa Homem & família /premium

Maria João Avillez

Nessa noite, ao apagar a luz, com um cansaço jubiloso, feito de uma curiosidade que galopava à minha frente, surpresa sem nome e raríssimo deleite, olhei distraidamente para o relógio: era madrugada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)