O deputado do PSD Duarte Pacheco exigiu esta segunda-feira explicações ao Governo sobre as necessidades de capitalização da Caixa Geral de Depósitos e não excluiu a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito.

“Não podemos banalizar um instrumento, mas tudo depende das explicações que o doutor António Costa dê ao parlamento e aos portugueses”, afirmou Duarte Pacheco quando questionado sobre a constituição de uma comissão de inquérito à Caixa, como defendeu o comentador e ex-líder do PSD Luís Marques Mendes na SIC no domingo.

O PSD tem dois requerimentos com perguntas sobre a Caixa para o primeiro-ministro e o ministro das Finanças, Mário Centeno, e deixou um repto para que possam ser “o guião” da intervenção do chefe de Governo na quarta-feira no debate quinzenal no parlamento.

As explicações exigidas pelo PSD, numa conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, começam logo pelo valor de quatro mil milhões: “As necessidades de financiamento, olhando para as contas, que são públicas, são cerca de metade desse valor. Tudo o resto tem de ter explicação”.

De acordo com o Diário de Notícias, os deputados social-democratas pretendem enviar 30 perguntas ao primeiro-ministro e ao ministro das Finanças, onde o tema central é a recapitalização do banco do Estado. A injeção até 4.000 milhões de euros de fundos públicos na Caixa terá sido uma condição do gestor que irá assumir a liderança do banco. António Domingues, que vem do BPI, também terá pedido a alteração das regras salariais da Caixa, em particular ao nível de remuneração da administração. As mudanças, que retiram a CGD dos limites salariais impostos a outras empresas públicas, foram já aprovadas.

O aumento de capital da Caixa não se discute apenas em Lisboa, o tema já chegou a Bruxelas onde a Comissão Europeia terá de avaliar se o plano apresentado pelo governo consegue evitar o diagnóstico de ajuda de Estado. Para tal, Portugal tem de demonstrar como irá o banco do Estado voltar aos lucros de forma sustentada, o que passará por uma nova reestruturação da Caixa Geral de Depósitos.

Segundo adiantou este domingo na SIC o comentador Marques Mendes, o processo de reestruturação implicará a saída negociada de até 2.000 colaboradores da CGD e a venda de operações fora de Portugal.