Noventa mais noventa dá 180. São estes os minutos que a Suécia leva neste Campeonato da Europa sem acertar com um remate na baliza. É muito quando se tem Zlatan Ibrahimovic na frente, certo? Certo. Mas ele próprio tinha uma espécie de trauma para ultrapassar. Afinal, tinha pela frente Gianluigi Buffon, uma lenda de 38 anos que teima em continuar a ser grande. Só uma vez na vida, em seis jogos, é que o gigante sueco enganou Buffon e foi em Portugal…

Lembra-se do Euro-2004 (como não?)? Pois bem, tudo aconteceu num sábado, 19 de junho. O palco foi o Estádio do Dragão, a hora foi de Liga dos Campeões (19h45). Os italianos tinham empatado na primeira jornada com a Dinamarca (0-0), enquanto os suecos esmagaram a Bulgária (5-0). Estavam com tudo.

Nesse 19 de junho, a Itália estava na frente do marcador, com um golo de Cassano, mas o senhor Ibrahimovic não deixou aquela gente celebrar o primeiro triunfo. Aos 85′, depois de umas cabeçadas e algumas carambolas na área italiana, Zlatan tocou de calcanhar e marcou um dos golaços do Euro 2004. Foi magia. A Itália acabaria por ser eliminada…

Doze anos depois desse ato divino, Itália e Suécia voltaram a encontrar-se. Zlatan passou ao lado do jogo. Buffon já ultrapassou as seis horas sem sofrer golos. O homem nem quer ouvir falar em reformas. Os suecos tiveram mais bola na primeira parte, mas sem grande critério na frente. Os italianos, já se sabe, privilegiam a defesa e depois logo se vê. Basta meia oportunidade, não é?

Pellè e Éder ameaçaram primeiro. Depois foi Zlatan, que mesmo fora de jogo, falhou a um metro da baliza deserta. Está na cara que o excelente avançado que se fala para Manchester United e Bayern Munique não está bem. Ora joga demasiado recuado e tem pouca influência, ora se mete na frente e a bola não chega lá. Assim, não há Zlatan. No Zlatan, no party.

A caminho dos 90, com o empate já no horizonte, Parolo cabeceou à trave, depois de um excelente cruzamento de Giaccherini. Bom, se esta não entra, esqueçam… “E golo!!”, ouve-se a berrar na TV. Foi Éder Citadin Martins, um avançado italiano que nasceu no Brasil, em Lauro Müller. A jogada começou num lançamento lateral na esquerda, que sofreu um desvio decisivo de Zaza, o italiano mais jovem em campo (24). Éder pegou na bola, aventurou-se na diagonal da esquerda para o centro e marcou um golaço. Quase 90 minutos depois, um momento de magia.