Durão Barroso

Durão Barroso vai ser “chairman” do Goldman Sachs

10.720

O ex-presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, vai ser o novo presidente do conselho de administração do Goldman Sachs International.

As reações à contratação de Durão Barroso não se fizeram esperar. "Barroso recicla-se no 'gangsterismo' financeiro global”, escreve Jorge Costa

Getty Images

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Agência Lusa

O ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, vai ser o novo presidente não executivo do conselho de administração do Goldman Sachs International, onde vai igualmente exercer funções de consultoria.

A notícia foi inicialmente avançada pela TSF, que lembrava, a propósito, que o ex-governante já tinha revelado, em entrevista à SIC, que se ia retirar da política ativa e que tinha recebido um convite.

De acordo com o Expresso, Durão Barroso iniciará funções já a partir deste mês. O banco emitiu uma nota oficial na tarde de sexta-feira onde confirma a contratação e demonstra confiança nas capacidades do português. “A sua perspetiva, capacidade de julgamento e aconselhamento vão trazer um grande valor ao nosso Conselho de Administração, aos nossos acionistas e aos nossos clientes”, pode ler-se na nota publicada no site da Goldman Sachs.

O Goldman Sachs é um dos maiores bancos de investimento do mundo e tem sede em Nova Iorque. Já a Goldman Sachs International tem sede em Londres, pelo que a nomeação de Durão Barroso teve de ser sujeita à aprovação dos vários reguladores financeiros britânicos, incluindo o Banco de Inglaterra. Além disso, a Comissão Europeia teve igualmente de se pronunciar.

O processo de contratação de Durão Barroso é anterior ao Brexit, não estando relacionado com a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia. Contudo, é previsível que o antigo presidente da Comissão Europeia tenha um papel importante no aconselhamento das melhores estratégias para enfrentar esta nova situação. Como presidente não executivo, e no quadro do enquadramento que, no Reino Unido, tem vindo a ser dado a esse tipo de funções, Durão Barroso deverá ter funções de supervisão interna no acompanhamento que fará da ação da administração executiva.

Foi isso mesmo que admitiu Durão Barroso, em declarações ao Financial Times. “Claro que conheço bem a União Europeia, e também conheço relativamente bem o Reino Unido. Se os meus conselhos puderem ser úteis nestas circunstâncias estou pronto para contribuir”, sublinhou o ex-presidente da Comissão Europeia.

É o “gangsterismo financeiro”

As reações à contratação de José Manuel Durão Barroso não se fizeram esperar. Sobretudo, e naturalmente, à esquerda. Jorge Costa, deputado e dirigente do Bloco de Esquerda, foi uma das vozes mais duras. “Em vez de responder pelo crime da guerra do Iraque, Barroso recicla-se no ‘gangsterismo’ financeiro global”, escreveu Jorge Costa, na sua página no Facebook.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, também já reagiu à contratação do ex-presidente da Comissão Europeia. “A natureza da governação europeia explicada num movimento: Durão Barroso vai ser ‘chairman’ do grupo Goldman Sachs”, escreve a bloquista.

CM

A eurodeputada bloquista Marisa Matias aproveita o Twitter para classificar a contratação de Barroso como uma “vergonha”. Particularmente dura, a ex-candidata presidencial questiona: “Qual é a parte que não percebem? Que gosto pérfido é este de gozarem com a nossa cara? Tudo à volta em colapso e continuam a fazer isto?”.

Mariana Mortágua também não poupa críticas a Durão Barroso. “Poderia ser mais escancarado que isto?! Durão Barroso será presidente não executivo da Goldman Sachs. Barroso assume finalmente para quem esteve a trabalhar durante todo este tempo”.

Durão Barroso foi presidente da Comissão Europeia de 2004 a 2014 e primeiro-ministro de Portugal de 2002 a 2004. Foi eleito pela primeira vez para o parlamento português em 1985, ocupando em sucessivos governos os cargos de secretário de Estado da Administração Interna, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, e ministro dos Negócios Estrangeiros. Em 1999, foi eleito presidente do Partido Social Democrata e tornou-se líder da oposição.

Antes de iniciar a sua vida política, Durão Barroso assumiu várias posições académicas, entre as quais como professor convidado da Georgetown University. Mais recentemente, sinaliza a nota, foi professor convidado de Política Económica Internacional na Universidade de Princeton.

É atualmente também professor convidado na Universidade Católica, em Lisboa, na Universidade de Genebra, e no Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento na mesma cidade.

José Manuel Durão Barroso foi reconhecido com vários graus honorários e recebeu mais de 60 condecorações, prémios e distinções, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e o Grande Colar da Ordem do Infante Dom Henrique.

*Artigo atualizado às 17h30 com as reações à contratação de Durão Barroso

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)