Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Considerando o mercado mundial, que em 2015 consumiu mais de 89 milhões de veículos e que se prepara este ano para se aproximar dos 100 milhões, os veículos eléctricos e híbridos plug-in não passam de uma mera gota de água num imenso oceano de modelos poluentes, ao comercializarem apenas 306 mil unidades no primeiro semestre. Contudo, isto não os impede de se assumirem como um dos segmentos que mais cresce e daí que a atenção de todos os construtores esteja focada na evolução do seu desempenho comercial.

Vamos começar por considerar exclusivamente os modelos que se podem arvorar em defensores da qualidade de vida no planeta, ou seja, os BEV (Battery Electric Vehicle) e os PHEV (Plug-in Hybrid Electric Vehicle), uma vez que os restantes híbridos apenas recorrem às pequenas baterias e ao motor eléctrico que os equipam para reduzir o consumo médio do motor de combustão interna, não visando pois proporcionar uma utilização 100% eléctrica.

Os BEV anunciam uma autonomia próxima dos 200 km – embora, em condições reais, esta pouco ultrapasse os 150 km, apesar de se esperar que estes valores dupliquem durante os próximos 12 meses –, mas lidam menos bem com as necessidades de última hora, ou até mesmo com as urgências. É esta a principal crítica de que são alvo, aliada ao facto de a grande quantidade de baterias que transportam os prejudicarem também no peso e no preço.

Os PHEV são mais versáteis e, por isso mesmo, começaram a conquistar mercado mais rapidamente. É certo que oferecem uma utilização eléctrica diminuta – 50 km ou pouco mais –, mas compensam ao assegurar uma maior versatilidade, mesmo liberdade, recorrendo ao motor de combustão em caso de necessidade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas os dados das vendas no primeiro semestre de 2016 provam que os clientes estão cada vez mais à vontade com os BEV, modelos que no ranking dos mais vendidos conquistaram seis lugares no top 10, continuando a liderar com 11 representantes no top 20. O veículo amigo do ambiente mais vendido no mundo foi neste semestre o Nissan Leaf (que desceu a 2.º na Europa, por troca com o Zoe), seguido do Tesla S, com os eléctricos a chamarem a si os dois primeiros lugares do pódio. A 3.ª posição foi pertença do chinês BYD Tang, um híbrido plug-in, seguido de outro, o Mitsubishi Outlander PHEV. O 5.º posto ficou na posse do Renault Zoe, o primeiro da lista a vender exclusivamente na Europa, pelo menos de momento.

De salientar o bom desempenho dos veículos chineses, com quatro modelos nos 10 primeiros lugares, sendo que dois são BEV e outros tantos PHEV. Entre os construtores europeus, há apenas quatro marcas representadas, com a Renault a ser a mais bem posicionada (5.ª), seguida da BMW (9.ª com o i3), a Audi (17.ª com o A3 e-Tron) e a VW (18.ª com o Golf GTE). Veja então os modelos amigos do ambiente mais vendidos no mundo, durante o primeiro semestre de 2016, entre eléctricos e híbridos Plug-in.

Posição Modelo Tipo de motorização Vendas
Nissan Leaf Eléctrico 27.151
Tesla Model S Eléctrico 22.378
BYD Tang Híbrido Plug-in 19.134
Mitsubishi Outlander PHEV Híbrido Plug-in 15.308
Renault Zoe Eléctrico 11.982
Chevrolet Volt Híbrido Plug-in 11.124
BAIC E-Series EV Eléctrico 9977
BYD Qin Híbrido Plug-in 9633
BMW i3 Eléctrico 9303
10º BYD e6 Eléctrico 9226
11º SAIC Roewe e550 Híbrido Plug-in 8711
12º JAI iEV Eléctrico 7862
13º Kandi EV Eléctrico 7797
14º Ford Fusion Energy Híbrido Plug-in 7300
15º Tesla Model X Eléctrico 7025
16º JMC E100 Eléctrico 6027
17º Audi A3 e-Tron Híbrido Plug-in 5666
18º VW Golf GTE Híbrido Plug-in 5525
19º Chery eQ Eléctrico 5337
20º Volvo XC90 T8 Híbrido Plug-in 5315
Total Janeiro-Junho de 2016 306.823