Rádio Observador

Incêndios 2016

António Costa diz-se “chocado”. Dez anos depois, a reforma florestal não foi feita

2.213

António Costa justifica a opção que tomou como ministro. Esforço da administração interna "visava comprar tempo para que a reforma florestal fosse feita". E dez anos depois isso não aconteceu.

ANTONIO COTRIM/LUSA

António Costa justificou este domingo as opções que tomou como ministro da Administração Interna em 2005, quando foi elaborado o Plano Nacional de Defesa da Floresta contra os Incêndios. Em visita à base aérea de Monte Real, o primeiro-ministro começou por realçar que se gasta muito no combate porque se gasta pouco na prevenção, manifestando a intenção de que se passe a gastar mais na prevenção. Deixou ainda a justificação:

Quando fui responsável pela reforma que foi feita, deixei bem claro que este esforço enorme que a administração interna iria fazer era para criar condições para a reforma da floresta, visava comprar tempo para que essa reforma fosse feita. Devo dizer que fico chocado, dez anos depois, por verificar que essa reforma não foi feita”.

Estas declarações de António Costa, que foi ministro da Administração Interna entre 2005 e 2007, surgem depois de serem divulgadas reflexões feitas pelo seu ex-secretário de Estado à data, numa tese de 2014, em que Ascenso Simões reconhecia que tinha sido cometido um “erro grave” na política de defesa de florestas. As opções então tomadas ficaram associados ao reforço dos meios de combate do Estado, designadamente pela contratação dos polémicos helicópteros Kamov, em detrimento de uma estratégia mais focada na prevenção, como tinha sido proposto ao então governo.

Na sequência da última semana de incêndios, o governo anunciou a criação de um grupo de trabalho de vários ministérios para preparar uma reforma da floresta portuguesa. Uma das medidas já referidas passa por uma maior intervenção das autarquias nas terras abandonadas, o que, por sua vez, requer um cadastro de proprietários atualizado.

Ainda a partir de Monte Real, António Costa negou a tese de que as verbas usadas no combate estejam a ser desviadas da prevenção de fogos. “O dinheiro que o Ministério da Administração Interna consome no aluguer de meios aéreos, no equipamento de bombeiros, na formação de bombeiros, na constituição de equipas profissionais, não é dinheiro que se está a desviar da prevenção. É dinheiro que se está a desviar da segurança interna”, disse aos jornalistas.

Intervindo à margem de uma visita à base aérea de Monte Real, distrito de Leiria, onde se deslocou para agradecer o contributo das tripulações dos meios aéreos de Marrocos, Itália e Rússia no combate aos incêndios em Portugal, o primeiro-ministro frisou que o dinheiro para combater fogos não é investido em instalações e esquadras da GNR e PSP, cujas condições “são uma vergonha nacional”.

“É necessário que se passe a investir na prevenção e é isso que vai passar a ser feito”, argumentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)