República do Congo

União Europeia condena ataque de rebeldes no Congo

A União Europeia condenou o ataque efetuado por rebeldes ugandeses da Frente Democrática Aliada na República Democrática do Congo e apelou à "cooperação" entre a ONU, Forças Armadas e polícia.

PATRICK SEEGER/EPA

A União Europeia condenou o ataque efetuado no sábado por rebeldes ugandeses da Frente Democrática Aliada (ADF) no leste da República Democrática do Congo e apelou à “cooperação” entre a ONU e as Forças Armadas e polícia congolesas.

Uma cooperação, afirma a União Europeia (UE), que efetive “a proteção da população da região”, considerando que “estes são atos intoleráveis”, segundo um comunicado dos porta-vozes do Serviço Europeu de Relações Externas, no qual expressa o seu apoio ao apelo das Nações Unidas aos grupos armados “para que ponham fim a todas as formas de violência”.

A UE insistiu na “importância de incrementar a cooperação” entre a Missão de Estabilização das Nações Unidas na República Democrática do Congo (Monusco) e as Forças Armadas e a polícia congolesas para “proteger as populações do território de Beni”.

“A UE apresenta a suas sinceras condolências às vítimas, seus entes queridos e ao povo congolês”, lê-se no mesmo comunicado, segundo a Efe.

Pelo menos 36 civis morreram num ataque levado a cabo na tarde de sábado por rebeldes ugandeses da ADF no leste da República Democrática do Congo.

O ataque aconteceu na cidade de Beni, na província de Kivu do Norte, segundo o presidente da organização Sociedade Civil de Beni, Gilbert Kambale. “Mataram com catanas e machados todas as pessoas que encontraram no seu caminho, antes de entrarem nas casas, onde foram encontrados muitos corpos”, disse o ativista.

Gilbert Kambale criticou o ataque que não foi possível evitar, apesar da importante presença de soldados das Forças Armadas da República Democrática do Congo e da missão da ONU no país (ONUSCO) que, segundo disse, estavam avisados de que tal podia ocorrer.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)