Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

 

A acumulação de dívida pelo PS tem levado a que algumas das despesas do partido, como a conta da água e da luz, sejam asseguradas por dirigentes locais. O Jornal de Notícias revela que algumas das iniciativas socialistas foram já canceladas por falta de verbas. Em 2015, o Partido Socialista tinha um passivo acumulado de 21,6 milhões de euros, um agravamento de três milhões de euros face ao ano anterior.

O jornal adianta ainda que as distritais onde mais vezes se tem recorrido aos bolsos dos dirigentes são as de Coimbra, Porto e Setúbal. Existem concelhos nestes distritos em que muitas das despesas não contam com qualquer tipo de verbas do Partido Socialista. São ainda relatados casos em que as verbas são enviadas com pedidos de que algumas despesas “se convertam em donativos”.

Situação financeira dos partidos

Mostrar Esconder

PSD – Passivo de 8,8 milhões de euros em 2015. Em 2014 os sociais-democratas tinham um passivo de 10,5 milhões.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

CDS/PPO partido apresenta um resultado de 115.700 euros. As eleições penalizaram as contas do partido que terminou 2014 com ativos de 295 mil euros.

BEAtivo de 2,2 milhões de euros. Os ativos diminuíram cerca de 100.000 euros comparativamente a 2014.

PCP – Os comunistas terminaram 2015 com um ativo no valor de 21,6 milhões de euros. O PCP terminou 2015 com um resultado positivo de 429 mil euros, depois de em 2014 terem tido um resultado de 103 mil euros negativos.

PEV – Os verdes tiveram um resultado positivo em 2015 no valor de 28,3 mil euros, mais cinco mil euros do que em 2014.

O presidente da distrital do PS do Porto, Manuel Pizarro, explicou ao JN que propor aos secretários-coordenadores que assumam despesas como donativos “é uma forma completamente transparente de regularizar situações que existem e que ninguém tem necessidade de esconder”.

Já o dirigente da Federação de Setúbal sublinha que existe uma grande contenção de gastos e que não fica chocado se um dirigente local assumir despesas como a água e a luz. No entanto, António Mendes afirma que estas situações estão a ser regularizadas.