Rádio Observador

Mercedes-Benz

48% dos americanos não querem condução autónoma

Um inquérito para avaliar a receptividade dos condutores norte-americanos aos automóveis autónomos, permite concluir que, quase metade, não é fã do sistema. Mesmo entre os clientes das marcas de luxo.

Autor
  • António Sousa Pereira

A MaritzCX levou a cabo, entre Maio e Agosto, um inquérito que envolveu 12 353 proprietários de automóveis e tinha por principal finalidade perceber qual a receptividade dos automobilistas norte-americanos aos veículos dotados de tecnologia de condução autónoma. Os resultados variaram bastante em função do tipo e da marca do automóvel que os participantes conduzem, sendo que, globalmente, 48% dos inquiridos afirmaram não ter interesse em adquirir um veículo com tais características, mesmo que 94% tenha afirmado estar a par desta tecnologia, e da sua iminente chegada ao mercado.

Foram os proprietários de modelos da Mercedes e da Infiniti os que, neste estudo, revelaram maior disponibilidade para ceder os comandos do seu automóvel a um robot, mas ainda assim longe da maioria. Cerca de 27% dos clientes da marca da estrela e da divisão de luxo da Nissan revelaram estar “muito interessados” em adquirir um modelo com condução autónoma logo que estes estejam disponíveis, por oposição aos que conduzem veículos da Jeep ou pick-ups da Ram (a marca do Grupo FCA especialista neste tipo de proposta), que foram os que menor interesse revelaram nesta solução.

Convencer os consumidores a aceitar os automóveis que se “auto-conduzem” poderá, assim, ser um dos principais desafios para as marcas de automóveis e para as empresas tecnológicas que estão a investir milhões nesta tecnologia. É que, mais uma vez segundo o inquérito, até entre os proprietários de Mercedes e Infiniti, são mais os que a rejeitam do que aqueles que a aceitam, indicadores que confirmam as conclusões obtidas noutros inquéritos recentes, levados a cabo com o mesmo objectivo, e que mostram que a maioria dos condutores ainda não está preparada, ou pura e simplesmente não vê interesse, nos automóveis que se conduzem sozinhos.

Por outro lado, a possibilidade das falhas de sistemas e dos automóveis autónomos ficarem desorientados no meio do tráfego mais intenso, foram as principais preocupações manifestadas pelos inquiridos relativamente à condução autónoma. Mas entre os seus receios encontram-se ainda a segurança dos veículos relativamente aos hackers, ou a sua capacidade para circular em segurança também entre peões e ciclistas.

Para a MaritzCX, a maior receptividade aos automóveis com condução autónoma manifestada pelos proprietários de modelos da Mercedes e da Infiniti deve-se à sua crença de que a segurança será bastante maior neste tipo de veículo, assim como ao facto da a respectiva comunicação já apostar bastante neste factor, e de os seus actuais modelos já incluírem algumas soluções de condução semi-autónoma. Contudo, nem todos os detentores de automóveis de luxo estão preparados para abdicar do controlo dos seus veículos a curto prazo, se é que alguma vez o estarão. Entre os que afirmaram não estar interessados nesta tecnologia, os proprietários de modelos da Porsche surgem em terceiro lugar, com 57%, logo seguidos dos da BMW, com 56%.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)