Livros

Mia Couto lança segundo livro da trilogia que invoca Gungunhana

299

Couto lançou o segundo volume da trilogia dedicada ao reinado de Gungunhana, que retrata a paixão entre um sargento português e uma jovem nativa durante a resistência à ocupação colonial.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O escritor moçambicano Mia Couto lançou esta segunda-feira em Maputo o segundo volume da trilogia dedicada ao reinado de Gungunhana, uma história que retrata a paixão entre um sargento português e uma jovem nativa durante a resistência à ocupação colonial.

“É um livro que lembra com saudade o nome de Gungunhana”, disse à imprensa Mia Couto, à margem do lançamento da obra, intitulada “A Espada e a Azagaia”, acrescentando que se trata de mais um contributo para a dignificação da história de Moçambique.

Recuando aos últimos dias do antigo Estado de Gaza, que se estendia desde o centro até ao sul de Moçambique, sob liderança do último imperador, Gungunhana, a nova obra do prémio Camões em 2013 cruza as “versões da história contada por vencedores e vencidos”.

O livro percorre os labirintos de um tempo não muito remoto de dois povos, a partir de um romance entre uma jovem de cultura txope e um sargento português, em época de resistência à ocupação colonial.

“No fundo, apesar de estar escrita aqui uma história de guerra, esta é uma história de amor”, explicou o autor, acrescentando que, diferentemente do primeiro livro da trilogia, “Mulheres de Cinza”, em “A Espada e a Azagaia” os conflitos são muito mais frequentes e Gungunhana entra definitivamente na história.

Gungunhana acabou por ser derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque e foi posteriormente deportado para os Açores, onde morreu em 1906.

O corpo de Gungunhana foi repatriado para Moçambique em 1985, mas persistem relatos de que, em vez dos seus ossos, o caixão continha apenas areia colhida em solo português, o que, segundo Mia Couto, quando apresentou o primeiro trabalho da trilogia, traz “uma ideia de fragilidade, de uma figura que se pode esfarelar”.

Enquanto escrevia o “A Espada e a Azagaia”, Mia Couto conta que visitou os Açores e a ideia de africanos deportados que “fizerem as suas vidas” mostra que há muito mais em comum entre as duas realidades.

“Há netas de Gungunhana nos Açores que querem conhecer as suas origens”, declarou o escritor, acrescentando que o cruzamento das histórias dos dois povos é um elemento peculiar e merece a devida atenção.

À Lusa, à margem do lançamento da primeira obra da trilogia em 2015, Mia Couto admitiu que a obra contém riscos, quando Moçambique vive “numa situação tensa”, em que “pode haver aproveitamentos do ponto de vista étnico e memórias reaproveitadas ao serviço de interesses”.

Na altura, o escritor recordou uma conversa com o Presidente moçambicano, quando ainda estava a escrever “Mulheres de Cinza”, dando-lhe conta da sua inquietação de que este livro pudesse servir para despertar fantasmas.

“Mais vale sermos nós a despertar fantasmas do que eles a nós”, comentou Filipe Nyusi, na conversa reproduzida pelo romancista.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

Homo Deus? /premium

André Abrantes Amaral
111

Não sendo nós mais que uma soma de algoritmos, tendo Deus morrido, o que resta então? Qual o sentido da vida? E se não somos livres, o espaço ideológico para os totalitarismos volta a estar em aberto.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)