Amália Rodrigues

“Amália canta Portugal” com material inédito da fadista é lançado esta sexta-feira

O álbum de Amália Rodrigues "Amália canta Portugal", com material inédito, vai ser lançado no quadro da edição crítica da obra da fadista, iniciada com "Amália no Chiado", em novembro de 2014.

O CD reúne o trabalho de Amália no folclore, como canções como "Malhão"

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O álbum de Amália Rodrigues “Amália canta Portugal”, com material inédito, vai ser lançado esta sexta-feira no quadro da edição crítica da obra da fadista, iniciada com “Amália no Chiado”, em novembro de 2014.

Contactado pela agência Lusa, Frederico Santiago, coordenador da edição discográfica, pela Valentim de Carvalho, indicou que o CD reúne o trabalho de Amália no folclore, um dos géneros que a fadista também interpretou, em canções como “Malhão”, que ficaram muito conhecidas do público.

O álbum segue a edição discográfica ‘remasterizada’ e com inéditos retirados do arquivo da editora Valentim de Carvalho, que também já lançou “Fado Português”, “Tivoli” e “Someday”.

“Amália canta Portugal” reúne todo o folclore que Amália cantou, incluindo temas de Zeca Afonso, e versões nunca antes editadas, nomeadamente de “Verde Limão” e a canção tradicional algarvia “Tia Anica de Loulé”.

Frederico Santiago está a desenvolver um trabalho de investigação e edição crítica da obra de Amália Rodrigues, com base nos arquivos da Valentim de Carvalho.

Vai continuar, porque o nosso objetivo é editar a integral da Amália, e tem de ser por etapas, porque há imenso material inédito, entre ele versões que cantou e nunca foram editadas”, apontou.

Sobre a obra dedicada ao folclore, Frederico Santiago comentou que as pessoas “confundem a Amália só com o fado e ela interpretou todo o tipo de canções”.

“Amália era uma voz única, uma intérprete de alto nível e uma pessoa muito inteligente. Tinha uma maneira de cantar muito original e natural que era só sua, e nunca se contentava com o que fazia. Queria experimentar mais”, apontou o investigador.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
445

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)