Os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegaram a acordo para reduzir a produção de barris de petróleo pela primeira vez em oito anos, depois de dois dias de conversações em Argel, capital da Argélia.

A medida inesperada resultou num aumento do preço do petróleo na ordem dos 6,1% em Nova Iorque e em 6,5% em Londres.

De acordo com a agência Bloomberg, que teve acesso a um documento que foi produzido no decorrer da reunião, a produção diária irá sofrer uma redução de 796 mil barris diários, depois de ter chegado ao 32,5 milhões de barris por dia em agosto deste ano.

Em teoria, a medida poderá favorecer países cuja economia depende fortemente da produção de petróleo e que nos últimos tempos, devido à queda do preço do crude, têm sofrido as consequências desta conjuntura nas suas economias. É o caso de países como a Rússia, a Venezuela e também Angola.

A OPEP conta com 14 membros: os cinco fundadores, entre os quais o Irão, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita, e depois a Argélia, Angola, Equador, Gabão, Indonésia, Líbia, Nigéria, Catar e Emirados Árabes Unidos.