Quando todas as projeções iniciais apontavam para um reforço da maioria absoluta do PS nas eleições para a Assembleia Legislativa dos Açores, eis que os socialistas viram fugir um mandato face a 2012. Ainda assim, Vasco Cordeiro sai desta noite eleitoral com um resultado mais do que confortável: 46,4% dos votos e 30 deputados.

Destaque também para as subidas surpreendentes de CDS e Bloco de Esquerda: os democratas-cristãos conseguiram 7,2% dos votos (contra 5,7% de 2012) e elegeram mais um deputado do que há quatro anos — são agora quatro os mandatos do CDS.

O Bloco de Esquerda também tem razões para sorrir: conseguiram 3,7% dos votos e duplicaram o número de mandatos, elegendo dois deputados — em 2012, os bloquistas tinham-se ficado pelos 2,3% dos votos.

Duas vitórias importantes para Assunção Cristas e Catarina Martins que, ao contrário dos restantes líderes partidários, se empenharam pessoalmente nas campanhas eleitorais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Destaque negativo para o PSD, que, tal como o PS, perdeu também um candidato. Os sociais-democratas estão afastados do Governo Regional dos Açores há 20 anos e tiveram agora um dos piores resultados de sempre, com 30,9% dos votos. Sai destas eleições com 19 mandatos.

Quanto à CDU, regista também um crescimento em percentagem de votos — 2,6% em 2016 contra 1,9% em 2012. Os comunistas mantêm um mandato, tal como o PPM.

Destaque também para o número de votos: em comparação a 2012, o PS perdeu 9.527 votos; o PSD perdeu 6.670 votos; o CDS conseguiu mais 568 votos; o Bloco mais 973 votos; os comunistas mais 390 votos; o PPM conseguiu mais 780 votos; e o PAN, uma surpresa, conseguiu mais 654 votos. De recordar, no entanto, que abstenção atingiu 59,16%, um recorde em eleições regionais nos Açores. Em 2012, não foram às urnas 52,12% dos eleitores. Este ano, votaram menos 14.594 pessoas.

Resultados por círculo

De acordo com o Governo do Açores, na Ilha Graciosa o PS ganhou as eleições com 54,6% dos votos, elegendo assim dois deputados. Já o PSD ficou com 36,7% dos votos, elegendo um deputado. Uma inversão dos votos quando comparados com as últimas eleições, em 2012, em que o PS fechara os resultados com 42,9% dos votos e o PSD ganhava-lhe com 50,7%. Nestas eleições de 2016, o CDS-PP conseguiu 1,7% dos votos, o Bloco 1,1% e o CDU 0,5%. De referir que a taxa de abstenção fixou-se, nesta ilha, em 45,1%.

Em Santa Maria, o PS arrecadou 50,3% dos votos, elegendo dois deputados. Também em 2012 tinha sido este o partido com mais votos nesta ilha. O PSD conseguiu este ano 29,1% dos votos, elegendo um deputado. Nenhum outro partido nesta ilha conseguiu representação no parlamento regional.

Também na ilha Terceira, o PS fechou a eleição com 49% dos votos, elegendo seis deputados. O PSD elege três, com pouco mais de 28% dos votos e o CDS-PP elege um deputado, com 10,1% dos votos.

Na ilha de São Jorge, o PS (39,5%), PSD (21,4%) e CDS (26,3%) elegem um deputado cada um. No Pico, PS (39,5%) e PSD (37,8%) conseguiram eleger dois deputados, os mesmos que em 2012.

Na ilha do Faial, o PS (32,6%) e o PSD (41,2%) também não se distanciaram muito e acabaram por conseguir dois deputados cada um. Na ilha das Flores, PS e PSD elegeram um deputado cada um. Também aqui os dois partidos estiveram próximos, com os socialistas a arrecadarem 23,7% dos votos e os sociais-democratas com 21%.

Já na ilha do Corvo, o PSD não conseguiu eleger qualquer deputado. Aqui o PS saiu, mais uma vez, vencedor com 36,7% dos votos e um deputado eleito. Na tabela dos resultados é o Partido Popular Monárquico que mantém o deputado eleito, com 32% dos votos — uma situação idêntica às eleições de 2012.

Os resultados da última ilha a serem apurados foram os de São Miguel, a ilha com mais freguesias no arquipélago. Aqui o PS soma 12 deputados, com 49,2% dos votos. O PSD conseguiu sete deputados, obteve 30,6 % dos votos. Também o Bloco de Esquerda (4,1%) conseguiu um deputado.

O CDS acabou por ser o partido que mais mandatos consegui através do círculo de compensação, elegendo dois deputados. PS, PSD e Bloco de Esquerda elegeram os três restantes deputados deste círculo.

Nas eleições de 2012, o PS obteve 48,98% dos votos (31 deputados), enquanto o PSD alcançou 32,98% (20 deputados). O CDS teve 5,67% (3 deputados), o Bloco de Esquerda 2,26% (1 deputado), o PCP 1,89% (1 deputado) e o PPM 0,08% (1 deputado).