291kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Comer bem e barato nas zonas mais caras de Lisboa. Volume II: Avenida da Liberdade

Este artigo tem mais de 4 anos

Este é o segundo de três artigos dedicados a uma missão: encontrar boas refeições por menos de 10€ nas zonas mais inflacionadas de Lisboa. Depois do Chiado, agora é a vez da Avenida da Liberdade.

Na cafetaria do Cinema São Jorge servem-se pizzas de massa fina e estaladiça entre os 7 e os 9€. Cada uma tem o nome de um clássico do cinema italiano.
i

Na cafetaria do Cinema São Jorge servem-se pizzas de massa fina e estaladiça entre os 7 e os 9€. Cada uma tem o nome de um clássico do cinema italiano.

© Divulgação

Na cafetaria do Cinema São Jorge servem-se pizzas de massa fina e estaladiça entre os 7 e os 9€. Cada uma tem o nome de um clássico do cinema italiano.

© Divulgação

É imperativo começar este artigo com uma ressalva: se nos circunscrevêssemos aos limites geográficos da Avenida da Liberdade não seria possível passar das três linhas de texto. Contando já com estas. Não se estranhe que assim seja: estranho seria encontrar sítios a servir bem e barato junto às Prada, Louis Vutton, Gucci ou Armani desta vida. E desta avenida. Porém, nem tudo são más notícias: os arredores do mais famoso boulevard alfacinha são férteis em excelentes opções para matar a fome eficaz e economicamente.

Comecemos pelo extremo sul da Avenida, junto à Praça dos Restauradores. De todos os quiosques espalhados pela artéria, é nesta zona que se encontra aquele com o conceito gastronómico mais original, o Bambu – Feed Your Spirit (Avenida da Liberdade, 13), cuja oferta se baseia em sopas e sandes do sudoeste asiático, especialmente da Tailândia e Vietname.

Ainda no campo dos sabores asiáticos, agora do Nepal e Tibete, atenção à surpreendente — sobretudo a avaliar pelo nome — Tasca do Marinheiro (Rua Conceição da Glória, 38. 21 608 1765). Ignore-se a oferta de comida portuguesa dirigida a turistas: aqui as estrelas da companhia são os momo (pequenos pastéis fritos ou cozidos a vapor) e os bhatmas (feijões de soja, reproduzidos na foto abaixo), excelente companhia para uma cerveja (ou várias) são as estrelas da companhia. Os pratos vegetarianos, de origem nepalesa, também são de confiar.

E por falar em opções vegetarianas, a Praça da Alegria, ainda na mesma zona, tem duas de excelente valia. E em conta. O Planeta Bio (Praça da Alegria, 40. 21 809 2063), sempre com vários pratos do dia disponíveis — seja feijoada de seitan, lasanha de legumes, paelha vegetariana, entre outros –, e o Jardim dos Sentidos (Rua Mãe d’Água, 3. 21 342 3670), cujo buffet (8,90€) é dos melhores da cidade nesta matéria e respetivo jardim interior um cenário idílico e relaxante q.b.

Ainda na Praça da Alegria destaque para o Brooklyn Lisboa (Praça da Alegria, 35-37. 21 346 0201). Aqui, as quintas-feiras são especiais: o espaço faz-se valer das suas raízes cabo-verdianas e serve cachupa ao almoço. Nos outros dias há sempre um menu com dois pratos disponíveis a menos de 10€.

Aproveitemos o embalo para falar de outro destino para cachupa: a Associação Caboverdeana de Lisboa (Rua Duque de Palmela, 2. 21 353 1932). Fica, também ela, nos arrabaldes da Avenida da Liberdade, perto do cruzamento com a Alexandre Herculano, e junta a cozinha típica do arquipélago a muita animação — nos dias de música ao vivo, terças e quintas, não falta quem alterne garfadas com passos de dança. Os preços são tão simpáticos como o atendimento: mesmo com espetáculo incluído a refeição não ultrapassa os 10€.

Do outro lado da avenida encontra-se a cafetaria MadMary (Rua Rodrigues Sampaio, 29. 21 354 0317), uma das novidades deste verão. O respetivo menu sugere sanduíches substanciais e diversas, com recheios interessantes, do peru fumado ao ovo e ricotta, e saladas saudáveis. Para quem prefere o pão apresentado de outra forma, com topping de mozzarella e tomate, nada como uma visita à cafetaria do Cinema São Jorge, vulgo Pizzas Baldracca (Avenida da Liberdade, 175. 91 180 9484), no primeiro andar do espaço. A massa é fina e os recheios competentes, com a curiosidade de cada pizza ter o nome de um clássico do cinema italiano. Os preços andam entre os 7 e os 9€.

E comida típica portuguesa de qualidade? Não falta, caro(a) leitor(a), é preciso é saber procurá-la. A sul, na direção do Rossio, é imperdível A Provinciana (Travessa do Forno, 23-25. 21 346 4704), onde a comida é de conforto e os preços de amigo — a dose do prato do dia raramente ultrapassa os 5€. A terça-feira é dia de chanfana e a quinta de cozido, ambos servidos em doses mais generosas que as taxas de juro oferecidas pela Dona Branca.

APROVINCIANA TP01

N’A Provinciana a comida é de conforto e os preços de amigo: esta dose de polvo à lagareiro custou 4,70€. (foto: © Tiago Pais / Observador)

A 110 metros de distância, segundo o Google Maps, fica O Churrasco (Rua das Portas de Santo Antão, 83. 21 342 3059), outro dos pouquíssimos restaurantes da zona que não se dedica a atrair turistas recorrendo a menus de gosto duvidoso temperados com promessas de “very typical food, sir!” Aqui, o frango assado no espeto (12,50€, dá para duas pessoas) é um porto seguro. O ligeiro sabor a limão do bicho, as batatas fritas à rodela impecavelmente fritas e o esparregado guloso só perdem para as jaquetas impecavelmente aprumadas dos empregados, que parecem saídos de um qualquer paquete de luxo dos anos 70.

Processed with VSCO with a6 preset

N’O Churrasco há muitos anos que se viram frangos. 33, para ser mais preciso. Felizmente o espeto é rotativo, o que ajuda a tarefa. (foto: © Tiago Pais / Observador)

Mas há mais: de bons restaurantes portugueses de gama média, mas com sugestões de almoço em conta, como o Floresta do Salitre (Rua do Salitre, 42D. 21 354 7605), a casas mais simples, vulgo tascas, onde a cozinha é de mão-cheia. Três sugestões do género: o Esquina da Fé (Rua da Fé, 60. 21 342 0051), da dupla Gomes e Meireles, o Forninho Saloio (Travessa das Parreiras, 39. 21 353 2195), onde o mestre Arlindo toma conta da grelha com mestria e O Cartaxinho (Rua de Santa Marta, 20. 21 356 2971), onde a cabidela (à segunda-feira) e o pernil assado (quinta-feira) rivalizam com o carisma de Aurélio, empregado sportinguista ferrenho que não se inibe, contudo, de anunciar sempre que pode à clientela que já foi SLB: “Sensual, louco e bonito!”

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.