Rádio Observador

Futebol

Pedrouços. Duas carrinhas do clube incendiadas

305

São já dois casos no espaço de uma semana, depois do relvado incendiado do Grijó, com recurso a gasolina. Presidente do Pedrouços diz que "são coincidências a mais" e associa ao boicote ao Canelas.

(D.R.)

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

Duas carrinhas do Pedrouços Atlético Clube foram incendiadas durante a madrugada, dentro das instalações do clube, confirmou ao Observador o presidente do clube, Carlos Caseira. Referindo-se também ao incêndio que afetou uma parte do relvado do Grijó, na semana passada, Caseira diz que “são coincidências a mais” e fala em “vandalismo”. Os dois emblemas da série 1 da Divisão de Elite Pro-nacional fazem parte do lote de 12 clubes que boicotaram os jogos do Canelas 2010. A polícia já está a investigar.

“Foi por volta da uma hora e um quarto, uma hora e meia da manhã. Pegaram fogo às duas carrinhas de transportes de jogadores do clube, à porta das instalações, com gasolina. No Pedrouços apareceu uma garrafa, estilo aquelas de refrigerantes, perto do local”, começa por dizer ao Observador.

“Se calhar está associado a um boicote que estamos a fazer a um clube. No Grijó, há uma semana, queimaram cerca de 30 metros do relvado principal, com gasolina. Tive conhecimento, mas como era um caso isolado… Agora já são dois clubes, da mesma divisão, usando os mesmos meios. É um ato de vandalismo”, garante. “A polícia está a investigar, julgo que os inspetores que estiveram aqui sejam da Policia Judiciária.”

unnamed-4

(D.R.)

Como será daqui para a frente? “Vai criar prejuízo. Não temos dinheiro para comprar carrinhas. A CM do Maia vai ajuda-nos no domingo para o jogo com o Candal, haverá transporte para a equipa sénior. Quanto à formação, teremos de pedir aos pais”, explica.

“Já recebi vários telefonemas de sócios e simpatizantes para abandonamos a competição. Esta competição não interessa. A Associação de Futebol do Porto resolve tudo menos este problema. Isto é já um caso de PJ e Ministério Público. Ou da Federação! Alguém está pressionado. O ano passado os árbitros recusavam apitar, este ano já não o podem fazer, por isso não veem o que se passa. É um problema real.”

O presidente do Pedrouços informou que já requisitou uma reunião com com os 12 clubes que participam no boicote na Associação Futebol do Porto (AFP), para sábado, mas talvez não seja suficiente. “Temos de ir já para o Ministério Público. A associação não está a fazer nada. Está a esconder-se atrás de outras situações. Os vice-presidentes da associação reconheceram que há coação, que não há verdade desportiva nos jogos com o Canelas. A associação tem de fazer mais!

Boicote

No dia 27 de outubro, 12 equipas decidiram faltar aos jogos agendados contra o Canelas 2010. Maia Lidador, Serzedo, Valadares, Gondim Maia, Oliveira Douro, Varzim B, Leça, Lavrense, Pedrouços, Rio Tinto, Grijó e Padroense decidirem e anunciaram, na sede da Associação de Futebol do Porto, que preferiam perder por falta de comparência e pagar 750 euros de multa a enfrentar a impetuosidade do Canelas 2010.

Captura de ecrã 2016-11-09, às 13.43.46

(fonte: www.zerozero.pt)

No dia 9 de outubro, após o Candal-Canelas 2010 (0-1), a AFP publicou no seu site oficial um pedido de reforço policial à PSP para os jogos do Canelas 2010:

“Considerando as ocorrências verificadas em alguns jogos em que é interveniente 0 C.F.Canelas 2010, cujos factos se encontraram em averiguações no Conselho Disciplina desta A.F. Porto, 0 que, a repetir-se poderá colocar em causa a Ordem Pública e Segurança não apenas dos atletas, mas igualmente dos demais intervenientes e assistentes, entre os quais e frequente a presença de mulheres e crianças”, pode ler-se na carta. “Assim, a Direção da A.F. Porto vem apelar aos bons ofícios de V.Excia, 0 envio de uma força policial/intervenção como reforço da já requisitada pelo clube, com os custos a suportar por esta instituição.”

As intervenções da AFP foram insuficientes, segundo os clubes, por isso avançaram no dia 27 de outubro para o boicote aos jogos contra o Canelas 2010, a equipa que lidera a série 1 da Divisão de Elite Pro-nacional.

Na altura o Canelas defendeu-se, no Facebook, dizendo que promete continuar o seu caminho. “Continuamos a incomodar… Continua a campanha… Nós vamos continuar a trabalhar mais que os outros para continuar a ganhar dentro do campo. Vemo-nos na 2ª Fase.”

Em conferência de imprensa, o presidente do Canelas 2010, Bruno Canastro, respondeu ao caso do boicote em conferência de imprensa. “Isto é uma cabala e a prova que é uma cabala é que existem reuniões secretas, não foi dada a oportunidade de participar”, acusou Canastro, aqui citado pelo jornal O Jogo.

“O que espero é que prevaleça o bom senso e que seja reposta a verdade desportiva. Espero que este subterfúgio não faça escola. Os clubes recusam-se a jogar nesta fase do campeonato, mas na segunda fase já jogariam contra nós. Não são os Super Dragões que trazem violência, mas são os Super Dragões que permitem que qualquer coisa que aconteça no Canelas seja mediatizada”, explicou Bruno Canastro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)