803kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Visionário. Prolífico. Morreu Leonard Cohen aos 82 anos

Este artigo tem mais de 5 anos

O cantor e compositor Leonard Cohen morreu esta quinta-feira. Tinha 82 anos. Nasceu no Canadá, começou por ser escritor e poeta. Mas as canções é que lhe dariam fama global.

i

JOEL SAGET/AFP/Getty Images

JOEL SAGET/AFP/Getty Images

O cantor e compositor canadiano Leonard Cohen morreu esta quinta-feira, aos 82 anos. O anúncio foi feito esta noite pela Sony Music Canada, na página oficial do Facebook do artista. “É com profundo pesar que anunciamos a morte do lendário poeta, compositor e artista”, pode ler-se na página da rede social, numa nota que realça a carreira de cinco décadas do artista, “visionário e prolífico”. A informação oficial acrescenta que a cerimónia fúnebre decorrerá em breve, em Los Angeles.

Leonard Cohen nasceu em 1934, em Montreal, no Canadá. Tornou-se famoso pelas canções que compôs, sendo muitas vezes comparado a Bob Dylan, mas a carreira na música só começou quando, aos 30 anos, depois de já ter publicado livros de poemas, decidiu enveredar pela música. A decisão de mudança foi tomada após ter viajado pela Europa e de se ter fixado na Grécia, embora na adolescência tenha integrado um grupo de country.

Em meados dos anos 1960 vai para os Estados Unidos e começa a gravar. A oportunidade foi aberta por John Hammond, o produtor que também descobriu Dylan, após o ter escutado durante o Newport Folk Festival, em 1966. O primeiro álbum da carreira, Songs of Leonard Cohen, foi lançado no ano seguinte e inclui alguns dos temas “clássicos” do seu percurso, como “Suzanne”, “Sisters of Mercy” e “So Long, Marianne”.

https://www.youtube.com/watch?v=ZX0CfFdk-jw

Numa época de turbulência política e social e de mergulho das bandas e músicos no psicadelismo, Leonard Cohen conquistou respeitabilidade e reconhecimento com o poder das letras e a simplicidade da música. Songs from a Room, o segundo álbum, não teve uma receção tão entusiasmada quanto a primeira peça da discografia, mas legou mais um tema, pelo menos, para ficar na História da música folk: “Bird on the Wire”.

Por esta altura, Cohen, longe de se transformar numa estrela com a fama (indesejada) de Dylan, era um nome com créditos sólidos. A voz grave, serena, hipnotizante, que criava melodias sobre a guitarra dedilhada, passou a ser um nome consensual. Atuou no Festival da Ilha de Wight, em 1970, antes de lançar, no ano seguinte, “Songs of Love and Hate”. Mais uma obra para consolidar o compositor e “Famous Blue Raincoat” foi um argumento forte.

New Skin for the Old Ceremony foi o disco seguinte, na sequência de um reencontro com as raízes judaicas de Leonard Cohen, e antes de um intervalo na carreira que duraria três anos, apenas interrompido, em 1973, com o lançamento de Live Songs. Do álbum de 1974, Cohen legou canções como “Chelsea Hotel #2”.

Leonard Cohen editou, no passado dia 21 de outubro, o 14º álbum de estúdio, You Want It Darker. Sobre o disco, Bruno Vieira Amaral escreveu: “Com o novo disco, Leonard Cohen perde o pudor e desafia o Todo-Poderoso para um último combate. Que o fim esteja distante e que estas canções passem por outros funerais”. Não foi bem assim.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa